Aventura e tours personalizados no Atacama (com direito a camping!): conheçam a Sorbac!

0

No Atacama eu pude conhecer diversas agências de turismo, desde as que oferecem os passeios padrões, passando por outras de luxo (indico a Flávia Bia Expediciones, que também vai ganhar post aqui no blog) até uma que conheci que tinha uma proposta completamente diferente. Mais focada em aventura, com excelentes guias, comida e organização impecáveis, tudo de altíssima qualidade. Não bastando tudo isso, eles ainda têm o hostel mais fofo de todo San Pedro de Atacama. Estou falando da Sorbac, cujos donos se tornaram grandes amigos e te fazem se sentir na sua própria casa.

Eu os conheci quando a Paty, minha amiga que estava viajando comigo, fez alguns tours com eles e voltou encantada. “Guriaaaa, você tem que fazer algum passeio com eles. Eles são incríveis!”.

E um dia eu fui para o meu primeiro passeio com eles. Era época de chuva no deserto (pois é, no Atacama tem dessas coisas! Durante nosso verão, eles têm o inverno altiplânico, que é quando chove bastante) e eu tinha tirado um dia de folga para fazer algum tour com os meninos.

Começou que eles me buscaram no trabalho e me levaram para dormir no hostel deles, a Casa Sorbac. À noite não dá para ter tanta noção de como é o lugar, mas você já logo vê como é organizadinho, limpinho, fofo. Mas aí você acorda e o visual em volta te encanta. Como é um hostel mais afastado do centrinho (uns 4km de distância), ele é rodeado por muita natureza. E o café da manhã que eles servem lá é delicioso e super fresco, com frutas, suco natural, iogurte, ovos mexidos, pães, geleia caseira, frios. Delicioso!

Passei o dia lá trabalhando no blog e no final da tarde saímos para fazer um trekking em Cuchabrache – indico DEMAAAAAIS! Andamos mais de 20km em mais de cinco horas de trekking em meio a cânions, atravessando rios, parando para ver petrogrifos (escritas nas montanhas datadas de mais de 1000 anos A.C.). Começou a anoitecer e víamos raios nos céus. Foi muita adrenalina e inesquecível! E os meninos conheciam tudo e nos levaram em segurança de volta para o carro. Foi sensacional. Vejam o vídeo abaixo:

E um trekking de 5 horas por Cuchabrache onde vc atravessa rios, escala cânions, vê petroglifos (escritas antigas nas montanhas datadas de 1.000 anos A.C), anda no escuro apenas com a luz dos raios… 😱 Tudo com o apoio e guia dos chicos da @sorbac.atacama . Essa é uma agência especializada em turismo de aventura e que organiza passeios mais personalizados. Além disso, têm um hostel INCRÍVEL em Pukara de Quitor, que fica uns 6 km de San Pedro. Ideal pra se hospedar lá e fazer todos os tours com eles. Eles organizam, além dos tours tradicionais, passeios de bike, trekkings, escaladas a vulcões… Além de serem Mt gente boa! Garantia de momentos únicos por aqui 💛 Como que faz pra ir embora de um lugar desses, genteeeee???? Tá difícil! . #fuigosteiconteinoChile

Uma publicação compartilhada por Travel Writer @carlaboechat (@fuigosteicontei) em

E quando voltamos para o hostel, à noite, tinha um jantar delicioso e caseirinho nos esperando. Que lugar incrível para se estar!

Na segunda vez em que saí para um tour com eles, fomos acampar na Cordillera de la Sal, perto de onde há um ônibus abandonado suuuuper fotogênico. Eu fui sem expectativa nenhuma, já imaginando um perrengue de leve, né, afinaaaaal, estávamos indo acampar em meio ao nada. Só que não com a Sorbac! Os meninos levaram tudo tão lindo e organizado que dava vontade de tirar fotos de cada detalhe.

Eles mesmos montaram as barracas, e também acenderam uma fogueira com almofadas em volta para ficarmos conversando à noite. Prepararam o jantar que não estava apenas delicioso, mas também charmosééérrimo em potinhos de madeiras super fofos. Foi uma noite incrível que eu jamais esperava passar no deserto do Atacama (não conheço nenhuma outra agência que faz isso lá!).

Quando acordamos, parecia que havia neve no chão e nas montanhas em volta da nossa barraca. Mas era sal! Por causa da chuva dos últimos dias, a Cordillera de La Sal estava toda branquinha e maravilhosa. A melhor maneira de começar o dia e encarar o super café da manhã que os meninos, claaaro, também haviam levado para nós. Com direito a, como no hostel, frutas, suco natural, pão, abacate, frios, chás, geleias. Me belisca!

A terceira vez em que saí com os meninos da Sorbac foi para um lugar que eu já queria conhecer há um tempinho: a Quebrada Nacimiento. É um lugar para trekking, mas também para fazer escalada. Eles tinham ido para levar uma chilena e uma italiana que são escaladoras e eu fui junto de enxerida. Claro que tentei escalar, mas a pedra já começava em negativo e eu mal saí do lugar! Só serviu pra machucar a mão e bater meu joelho nas pedras. Mas valeu a experiência. Sabe por que?Porque depois teve camping em Quebrada Nacimiento!

Veja aqui um vídeo curtinho:

Sim, os meninos levaram tudinho de novo e nós acampamos lá, em meio àquelas pedras maravilhosas. O bom do Atacama é que você não precisa se preocupar muito com animais em meio à natureza. Lá é um lugar tão inóspito (é o deserto mais árido do mundo!) que poucos animais conseguem sobreviver nestas condições.

E ali nós acampamos, dessa vez com direito até mesmo a violão e vinho. Mais uma noite para ficar na memória e nunca mais esquecer.

Por fim, meu último tour com a Sorbac foi, tchararam!!!, a subida ao incrível vulcão Lascar, cuja cratera está a 5.540m de altitude. Foi uma subida tensa, eu passei muito mal por conta da altura (cheguei a vomitar), mas valeu cada esforço pra chegar lá em cima. O tour sai bem cedinho. O Pablo, que foi um dos nossos guias, passou para me buscar às 5h da manhã e de lá seguimos para tomar nosso café da manhã.

Palavras não são suficientes para descrever o lugar onde nós tomamos café da manhã. De frente para a lagoa Lejia, que refletia as montanhas e vulcões em volta. Fazia um frio de lascar (olha o trocadilhoooo! hehehe), mas eu estava extasiada com o lugar onde eu estava. Ali tomamos um café da manhã mais uma vez impecável (e dessa vez com direito a nutella e doce de leite pra dar bastante energia pra subida rsrs) e tinha até chá de coca (que é bom para aliviar os efeitos da altitude no nosso corpo).

Dali seguimos para o pé do Lascar. Fomos até onde dava para ir de carro. Depois o jeito foi encarar a inclinação e ir subindo beeeeem devagar, um passo de cada vez, respiração bem forte e profunda. O esforço físico em si não é tão tenso. Mas a altitude é de matar! Eu fui a única no meu grupo (de mais de dez pessoas) que realmente passou mal pela altitude. Mas no geral todo mundo sentiu dificuldade pra respirar e subir.

O Pablo era muito atencioso, assim como o Fabian, que veio acompanhando as últimas pessoas do grupo. Eles tinham todo o equipamento caso alguém passasse mal, e estavam o tempo todo preocupados em saber se estávamos indo bem ou se necessitávamos de uma pausa.

Após três horas chegamos à cratera! A sensação de estar ali e olhar em volta e só ver montanhas e outros vulcões, e tentar enxergar seu carro lááá embaixo e só ver um pontinho mínimo… Não tenho palavras. É emocionante estar ali. Para quem ainda tem fôlego, dá para subir até o cume, que fica a quase 6.000m de altitude. Eu até tentei, mas comecei a vomitar e passar muito mal, então respeitei meu corpo e voltei. Mas tudo bem, meu objetivo eu tinha atingido: chegar até a cratera!

Se você pensa em subir qualquer vulcão no Atacama, indico de olhos fechados a Sorbac. Os meninos são guias de montanhas credenciados e possuem uma estrutura excelente.

E a Sorbac também faz os passeios mais tradicionais, como ir a Piedras Rojas, ou aos Geiseres del Tatio, ou ao Valle de La Luna, ou às Lagunas Escondidas. Mas tudo sempre com um toque especial que é só deles. Além disso, eles são super abertos e topam todas as loucuras que a gente propõe. São super criativos e vivem inventando coisa nova (quando vim embora, eles estavam tentando montar um passeio onde é possível fazer SUP nas lagoas altiplanicas!). Sério, eles são fodas!

Foi um prazer enorme conhecer o Fabian, o Pedro e o Pablo, donos da Sorbac e que têm a minha idade, nesses passeios inesquecíveis pelo Atacama. Só tenho a agradecer por cada momento ímpar com eles, e indicar que você não perca a oportunidade de entrar em contato com eles e ver o que eles têm para aprontar para você.

Com certeza eles farão da sua viagem ao deserto mais seco do mundo algo completamente diferente e único. Obrigada, chicos!

E que tal ler mais dicas de minhas aventuras pelo Atacama:

Como eu vim morar no Atacama – o deserto mais árido do mundo!

Como chegar ao Deserto do Atacama – e dicas pra encontrar passagem barata

Leis que você não vai acreditar que existem no Deserto do Atacama

Que roupas levar para o Deserto do Atacama

Onde ficar no Atacama – meus 4 hostels preferidos

 

Carla Boechat é jornalista, mestranda, curiosa que só, carioca da clara, inquieta e turista por vocação - e criação. Sempre com a mochila e um sorriso prontos, aposta que toda estrada pode esconder uma dica em potencial. E aqui é assim: se ela foi e gostou, virou post!

Leave A Reply