Jericó, Palestina: dicas completas para visitar a cidade mais antiga do mundo

Jericó, Palestina, cidade mais antiga do mundo

Jericó, Palestina: dicas completas para visitar a cidade mais antiga do mundo

Você sabia que Jericó, no território da Palestina, é considerada a cidade mais antiga do mundo ainda habitado? O local, além de receber esse título, é também reduto de muita história.

Do ponto de vista cristão, judeu e islâmico, a cidade tem uma importância grande para essas religiões e foi palco de diversos eventos significativos da história.

Após a minha travessia por terra do Egito para Israel, me aventurei a partir da cidade de Eilat (primeira cidade israelita após a travessia) até o território Palestino, na Cisjordânia, para conhecer Jericó e seus arredores.

Fizemos esse rolê todo de carona e foi mais fácil do que parece, além de deixar a experiência ainda mais especial.

Eu sempre tento fazer as minhas viagens da forma mais independente possível, sem precisar de agências e roteiros fechados. Assim eu abro espaço para as oportunidades que surgem no caminho.

Por isso, reuni neste artigo dicas completas sobre a região onde, conta a história, aconteceram grandes marcos sagrados, para quem deseja fazer um roteiro mais independente por Israel.

Introdução à Palestina

Para começar a falar de Jericó, gostaria de fazer uma breve introdução sobre a Palestina. O estado da Palestina é basicamente formado pela Cisjordânia (sem saída para o mar) e pela Faixa de Gaza (pequenininho, já na fronteira com o Egito). Trata-se de um território não contínuo dentro de Israel.

Eu achei que passaria por fronteiras para cruzar de Israel para a Palestina, mas não. Circulamos livremente e não peguei nenhuma inspeção militar. Mas cidadãos israelenses no geral são proibidos por lei de entrar na Palestina. Estrangeiros podem entrar.

O conflito

Israel quer a anexação do território da Palestina alegando sua importância histórica e religiosa. E isso gera um conflito constante, muitas mortes e estado de guerra. O ano de 2022 foi um dos mais violentos, onde teriam morrido 31 israelenses e 150 palestinos, além de outros 52 palestinos que morreram em 3 dias de confronto em Gaza (esses números são de civis e militares).

Em 1988 foi declarada a independência da Palestina, porém ainda há grande resistência do seu reconhecimento por alguns países. Já em 2012 a ONU aprovou a alteração da Palestina para “estado não membro observador”. Em 2013 o estado da Palestina já era reconhecido por 136 estados membros da ONU e por dois estados não membros. Porém não reconhecido por países importantes, como Estados Unidos e Israel.

As divisões e diferenças

A Palestina tem 6.000km quadrados onde vivem 5 milhões de habitantes, sendo a maior parte formada por árabes muçulmanos. E conta com 16 territórios administrativos. São eles: Ramallah (a capital), Jenin, Tulkarem, Tubas, Nablus, Qalqilya, Jericó, Salfit, Jerusalém, Belém, Hebrón, Gaza do Norte, Gaza, Deir Al-Balah, Khan Yunis e Rafah.

Existem 3 zonas dentro da Palestina:

  • Zona A: representa 18% do território palestino e é administrada exclusivamente pela Autoridade Nacional Palestina
  • Zona B: representa 22% do território palestino e está sob controle administrativo da Autoridade Nacional Palestina, mas sob controle militar de Israel
  • Zona C: com 60% do território palestino e exclusivamente administrado por Israel

Nas áreas C existem o que chamam de “assentamentos”, que são áreas colonizadas por israelenses de origem exclusivamente judia. São territórios considerados como uma posse ilegal pelas leis internacionais. Até o ano de 2023 foram contabilizados 144 assentamentos onde vivem cerca de 700.000 israelenses.

O Estado de Israel possui hoje em dia 22.000km quadrados onde vivem 9,3 milhões de habitantes, sendo mais de 80% judeus.

Percebe-se uma diferença grande entre Israel e Palestina, principalmente de infraestrutura. Esse é um assunto longo, complexo e delicado. E que eu não conseguiria me aprofundar em apenas um tópico. Mas quis fazer essa rápida introdução antes de começar a contar minha passagem por Jericó. Em território palestino.

História de Jericó e arredores

Muitas pessoas se perguntam se Jericó ainda existe, já que a história relatada na Bíblia conta que as muralhas da cidade caíram ao chão por intervenção de Deus e sob o comando de Josué, destruindo a cidade e sua população.

A cidade e a região nas proximidades hoje são consideradas parte do território palestino, na Cisjordânia.  

Jericó fica próxima de outros lugares tidos como sagrados, como Jerusalém e Belém, e é conhecida como a cidade mais antiga do mundo, com 10.000 anos de existência. 

Além disso, outros pontos importantes da região são o Mar Morto, o Monte das Tentações e um dos locais de batismo de Jesus, conhecido como Kasser Al Yahud.

Atualmente, Jericó é uma rota muito popular de turismo religioso, atraindo fiéis do mundo inteiro que querem conhecer os locais por onde Jesus Cristo e outras figuras religiosas importantes passaram. 

Como chegar em Jericó, a cidade mais antiga do mundo?

Existem diversas formas de chegar a Jericó, independente do local de partida. Eu saí de Eilat, mas sei que em cidades maiores como Tel Aviv e Jerusalém, você encontra mais opções. Veja!

Pegando carona

Quando ainda estávamos no Egito, conhecemos um viajante que nos abriu os olhos para a possibilidade de viajar por Israel de carona. 

Então, ao invés de procurar outros meios de transporte, resolvemos nos aventurar e subir o país até Jericó de carona. 

Foi muito fácil encontrar caronas, e as pessoas foram sempre muito solícitas. Tiveram caronas que pararam em menos de 5 minutos para nós e nos ajudaram com informações e trocas muito incríveis. 

Assim, caso você tenha tempo e queira viver essa experiência, vale a pena se aventurar em pegar carona por esse país. 

Nos sentimos seguros e ainda economizamos bastante, uma vez que Israel é um país bem caro de viajar, principalmente quando comparado com o Egito.

Ônibus, trens e táxis compartilhados (sherut)

Outras opções, caso você não queira fazer como eu fiz, seriam utilizar os meios de transportes públicos, como ônibus, trens e táxis compartilhados, que são chamados de “sherut”. 

Os transportes públicos funcionam muito bem no país como um todo. É importante você ter um cartão Rav Kav – é só colocar créditos e ele funciona em qualquer transporte público do país, como trens e ônibus municipais e também intermunicipais.

A companhia ferroviária Israel Railways atua em diversas cidades de Israel e é um meio muito cômodo de viajar pelo território. Os trens são pontuais, novinhos e rápidos.

Por exemplo, se você estiver saindo de uma grande cidade como Tel Aviv, pode encontrar até mais do que uma estação na cidade.

Entretanto, para chegar a Jericó, não há trens. Contudo, você pode ir para Jerusalém e de lá pegar outro meio de transporte. 

Os ônibus são um dos meios mais comuns no país. Algumas empresas que operam rotas no país são a Egged e a Nazareth Transport & Tourism

Dica: baixe o app Moovit e verifique as opções de transporte, preços e horários disponíveis nas cidades.

Já as sherut são como táxis compartilhados, no estilo daqueles que pegamos no Egito, no qual você tem que esperar encher de gente para partir. 

Esse tipo de transporte é mais local e provavelmente mais em conta também. Para utilizá-lo, você precisa descobrir onde ficam os pontos de partida em cada cidade.

Mas lembre-se, não há horários fixos, então se você tem um roteiro bem definido com horários marcados, essa talvez não seja a melhor opção para você.

Carro ou excursões 

Outra opção é alugar um carro e fazer tudo de forma independente. Porém, se informe em relação às questões territoriais entre Israel e Palestina. 

Apesar de não ter controles militares nas fronteiras dos territórios ou algo declaradamente que impeça a entrada de veículos de Israel em território Palestino ou vice-versa, a questão é bem delicada e deve ser considerada. 

Então, se você alugar um carro, informe-se bem sobre se é possível transitar nos dois territórios sem problemas e como anda a situação política na região durante a sua visita.

A última opção é contratar uma excursão para não precisar se preocupar com nada em relação a transporte ou roteiro. 

Eu particularmente acho essa opção bem menos flexível e não optaria por viajar pelo país dessa forma.

Onde ficar em Jericó?

Sobre onde ficar em Jericó, não encontrei opções muito boas no Booking, mas separei as melhores que encontrei para você aqui nesse artigo. 

A opção que eu escolhi foi o Steele Honey, uma acomodação um pouco mais afastada do centro (3km), mas com excelente custo x benefício. Essa hospedagem não está no Booking nem no Airbnb, foi indicação de uma pessoa que conheci através do Couchsurfing.

Ficamos em um estúdio pequeno com cozinha toda equipada e custou 100 ILS (cerca de 28 EUR) para 2 pessoas com café da manhã incluído. É um excelente preço para essa região.

O mais interessante é que a hospedagem fica no maior campo de refugiados palestinos do Oriente Médio. No entanto, apesar de ser o maior, é o menos populoso.

O Ibrahim, o host que nos recebeu, foi um querido e nos levou inclusive a vários lugares para visitar sem nos cobrar nada. Uma curiosidade é que ele tem 31 irmãos, pois seu pai tem 5 esposas, e todos vivem no mesmo bairro. Então, é uma região bem residencial e familiar. E super interessante para uma imersão cultural autêntica. Esse é o Whatsapp do Ibrahim para contato direto: +972527291365

Outras hospedagens em Jericó

Se você prefere reservar direto pelo Booking, selecionei outras opções para você dar uma olhadinha: 

  • Mount 41: para ficar em uma área mais central (na praça principal de Jericó), essa hospedagem pode ser uma boa opção de custo-benefício. O preço por noite é 23 EUR por pessoa em quarto compartilhado sem café da manhã. A avaliação no Booking é de 9.4/58 avaliações.  
  • Auberg-Inn Guesthouse: essa hospedagem fica aos pés do Monte das Tentações, sendo também mais afastada do centro (média de 3 km). Eles oferecem opções de quartos compartilhados a partir de 30 EUR a diária, sem café da manhã. A avaliação da acomodação no Booking é de 9.0/91 avaliações.
  • Dolphin Suites: a Dolphin Suites é uma opção mais cara e mais distante do centro (cerca de 5 km). Diferente das outras opções, conta com café da manhã incluso na diária e tem preços a partir de 109 EUR para duas pessoas. A avaliação da acomodação no Booking é de 8.3/137 avaliações.

O que fazer na região de Jericó, Palestina?

A região de Jericó é uma rota de turismo religioso muito popular no país. 

Isso acontece por estar perto de cidades como Jerusalém e Belém, assim como o Mar Morto. Sem falar que a própria cidade de Jericó é histórica.

Confira algumas atrações para conhecer nas proximidades!

Kasser Al Yahud (Local de Batismo de Jesus)

Em Israel existem dois lugares conhecidos como o local onde Jesus foi batizado, um deles é o Kasser Al Yahud, que eu visitei e fica pertinho de Jericó; o outro fica na região da Galileia. 

Eu conheci Kasser Al Yahud e foi muito emocionante. Na minha visita, tive que esperar uns 40 minutos para entrar, pois o local estava muito cheio. 

Nosso host, Ibrahim, nos levou até lá de carro, mas como não podia aguardar o tempo de espera, foi embora e tivemos que ir andando até a entrada. Para nós foi tranquilo caminhar, mas tem um porém que é bom prestar atenção quando for ao local: não é possível entrar andando depois de um certo ponto, pois é área controlada por militares. Fique atento a isso caso você opte por ir de transporte público, já que o ônibus te deixa a cerca de 3km da entrada.

Assim, se você planeja ir de forma independente, tenha em mente que você precisará pedir uma carona ou arrumar um jeito de passar deste ponto. Eu vi taxistas oferecendo para fazer o pequeno trajeto.

Uma curiosidade é que dizem que o exato local onde Jesus foi batizado seria no lado da Jordânia. Mas esse ponto de Israel que visitei, Kasser al Yahud, fica numa parte do rio Jordão que tem menos de 3 metros de largura. Então você visita o lado israelense, porém em frente ao ponto exato jordaniano.

Algumas informações e recomendações importantes sobre o local:

  • A entrada é gratuita.
  • Não precisa ter um padre/pastor ou líder religioso para realizar o ritual de batismo, o acesso é livre para você aproveitar o local como queira. 
  • Recomenda-se que você use roupas que cubram o corpo e sejam folgadinhas para entrar nas águas do rio;
  • Eles vendem aquelas batas brancas que geralmente se usa em batismo nas águas, mas como mencionei, usar roupas folgadas já é suficiente. Mas, caso prefira, lá eles vendem a bata por cerca de 10 euros. Tome cuidado com a roupa íntima que vai usar por baixo, já que ela fica bastante transparente
  • A estrutura conta com banheiro/local para se trocar após se banhar no rio, mas é bem simples.
  • Tem lojinha de souvenirs (com preços bem salgados).

Monte das Tentações

O Monte das Tentações é outro ponto muito famoso na região de Jericó. A história conta que foi neste monte que Jesus jejuou por 40 dias e 40 noites e foi tentado pelo diabo.

Para chegar ao local você pode pegar um teleférico que custa 55 ILS, ou fazer a trilha caminhando, que dura cerca de 30 minutinhos (nossa opção).

No monte, fica localizado também o Monastério St. George, e é lá que você precisa ir para visitar as duas cavernas principais que dizem ser o lugar onde Jesus teria passado o período de 40 dias e 40 noites.

Algumas informações importantes:

  • A entrada é gratuita.
  • Antes de ir, veja o horário de funcionamento do Monastério St. George para conseguir visitar as cavernas.
  • O local conta com um café e loja de souvenirs. 
  • Procure pela cruz encravada na pedra, que dizem que é o local onde Jesus ficou. Nessa parte, não é permitido filmar ou fotografar.

O local é muito especial e valeu muito a pena a visita!

Árvore de Zaqueu em Jericó

A Árvore de Zaqueu é uma outra atração de Jericó e fica localizada no Museu Russo, bem no centro da cidade, onde é possível visitar.

Você provavelmente já ouviu falar na história de um cobrador de impostos rico, de baixa estatura, que subiu em uma árvore para ver Jesus passando pela cidade. 

A história, contada no Novo Testamento da Bíblia, diz que Jesus percebeu a presença de Zaqueu, agiu com gentileza e foi passar uma noite na casa do homem.

Após o encontro, Zaqueu se sentiu tão tocado pela atenção e cuidado de Jesus, que a partir daquele dia se tornou uma pessoa melhor e devolveu o que havia tomado de impostos da população. 

Hisham Palace

O Palácio Hisham é um palácio islâmico localizado em Jericó. O local é um sítio arqueológico das ruínas de um terremoto que aconteceu na região em 747d.C.

A grande surpresa é que na década de 1930 arqueólogos descobriram uma extensão de 38 painéis de mosaicos no chão do palácio, incríveis e conservados ao longo dos anos pelas areias das ruínas.

Após a descoberta, adicionaram novamente a areia no local para manter conservado. 

Recentemente, construíram um telhado para proteger e abrir o local para a visitação do público e desde então é possível visitar as ruínas e admirar os mosaicos.

Hoje é um dos locais mais importantes da Palestina e da região de Jericó.

Mar Morto

O Mar Morto começa (ou termina, dependendo de onde você vem) a cerca de 18km de Jericó. Um ponto de mergulho famoso ali é Kalia Beach, que foi onde escolhemos entrar depois de receber a indicação de algumas pessoas locais que me deram carona. A vantagem desse ponto do Mar Morto é ter muita lama, que dizem ser medicinal e as pessoas costumam passar no corpo.

Para a nossa surpresa, apesar da grande concentração de sal e da falta de vida marinha no mar, o Mar Morto, que geralmente é parado, estava cheio de ondas.

O ingresso básico para entrar em Kalia Beach custou 18 ILS (5 EUR) e incluía uma infraestrutura muito boa de banheiros com água quente, vestiários e lanchonete.

O bar mais baixo do mundo em relação ao nível do mar, no Mar Morto

Além de o local contar com um Glamping (camping de luxo) bem bacana, que pelo que vi online custava R$1800 a noite. 

Dica extra: Na Kalia Beach também fica localizado o bar mais baixo (em relação ao nível do mar) do mundo. Tomamos uma cerveja lá (apesar de ser caríssima). Também comemos um falafel que estava bem gostoso. O bar se chama The Lowest Bar in the World.

Pertinho da fronteira israel x Jordânia

Por fim, para complementar as dicas, vale ressaltar que uma das fronteiras entre Israel e Jordânia, a Allenby/King Hussein Bridge, fica pertinho de Jericó. Portanto, se você vai cruzar esses dois países por essa fronteira, Jericó é certamente uma parada bastante estratégica na sua passagem por Israel.

E então, curtiu as dicas sobre Jericó, Palestina? 

Agora você já tem um panorama geral de como aproveitar essa região tão importante histórica e religiosamente para o mundo. 

Se ficou com alguma dúvida, pode mandar aqui nos comentários e para continuar acompanhando essa viagem por Israel, confira as novidades que tenho lançado aqui no blog

Índice

Artigos + Recentes

Conheça o Chile!

Fazemos Parte

Siga no Instagram

4 respostas

  1. Oi, Carla. Trabalho no Moovit, e obrigado pela indicação! Cheguei pelo monitoramento de mídia e fiquei pelo relato. Tive a oportunidade de passar rapidamente por Jericó, indo para o Mar Morto, e seu texto fez eu me arrepender de não ter ficado mais. Abs

    1. Ei, Marcelo!
      Olha, que bacana! Usamos bastante o app da Moovit durante nossa viagem por lá. Uma vez ou outra as infos saíam em hebraico e ficávamos meio perdidos, mas no geral foi super útil. Fiquei feliz em receber sua visita aqui, e mais ainda em saber que o artigo prendeu sua leitura.
      Amei Jericó! Vou voltar em breve!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *