Bonito, MS – informações básicas para o planejamento perfeito da sua viagem

6

Não importa. Você pode passar cinco dias ou duas semanas em Bonito, no Mato Grosso do Sul. Ainda vão faltar lugares a visitar. Mês passado estive lá por uma semana a convite do hotel Águas de Bonito e da agência Águas Turismo. Inicialmente a ideia era ficar cinco dias. Aí aumentamos mais um dia de passeio. E mais um. E… quaaaase mais vários dias! Um compromisso me impediu de ficar mais tempo aproveitando o destino de ecoturismo número 1 do Brasil.

Mas não tem problema. Bonito sempre estará lá. O que eu mais gostei nesta pequena cidade é que é um lugar dinâmico. Ao mesmo tempo em que você tem a Gruta Azul, por exemplo, que é o tradicional cartão postal de Bonito, há diversos outros passeios surgindo e te deixando ainda mais em dúvida sobre o que fazer.

Mas, antes de indicar passeios em Bonito, resolvi começar a falar desse destino dando dicas mais básicas e muito importantes para quem está planejando uma viagem para lá. Mais para frente falarei sobre o que fazer em Bonito e também escreverei um post exclusivo sobre a Águas de Bonito e sua agência própria, a Águas Turismo. Bora lá!

Você precisará contratar uma agência em Bonito

Em primeiro lugar, tenho uma dica importante para os viajantes independentes como eu. Em Bonito não há maneira de fazer nenhum passeio sem ser por uma agência. Simplesmente é perda de tempo. Se você tentar pegar seu carro e ir a algum atrativo por conta própria, chegando lá eles não te venderão uma entrada, mas indicarão que você compre com alguma agência local (sério, hoje em dia não dá para ir sem agência nem nos balneários). Até dá para ligar correndo na hora e comprar a entrada por telefone mesmo, mas… Para quê esse stress se já estou te contando aqui o que vai acontecer? Se programe antes. Até porque, pode acontecer pior: pode ser que todas as entradas para aquele dia já estejam vendidas. Aí não tem jeito.

Por isso o ideal é fechar tudo com uma agência de confiança. E contratando vários passeios com a mesma agência fica mais fácil negociar preços. Eu amei e indico os serviços da Águas Turismo. Ainda vou fazer aqui um post específico sobre eles, mas, além de ficar nm hotel lindo, o Águas de Bonito (que está entre os melhores do Brasil!), a agência é excelente. Ah, e não tem problema se você estiver hospedado em outro lugar, eles atendem a todo mundo que queira fazer passeios em Bonito. O atendimento foi impecável, eles conheciam todos os passeios da região e sabiam indicar perfeitamente quais encaixariam em meus horários. Além disso, eles têm alguns diferenciais, como alugar bicicletas (R$30 a diária) ou até mesmo um Dome (também R$30 a diária). Sério, quão incrível é poder alugar um dome por um dia pra bombar suas fotos no Instagram?!

Não sabe o que é um dome? É um equipamento que te permite tirar fotos metade dentro da água, metade fora. O investimento vale muito a pena para tirar fotos em locais onde há claridade e água transparente (Bonito é perfeito nesse quesito, hehehe). As fotos ficam lindíssimas assim:

Existe algum passeio gratuito em Bonito?

Olha, prepare o bolso. Bonito não é baratinho. Não é que seja absurdamente-caro-impossível-de-pagar. Mas não é um lugar onde você encontrará coisas para fazer de graça, tipo trilhas, cachoeiras. Lá tu-do é pago, e há passeios que vão desde R$30 a quase R$1000! Então, fica tranquilo, tem opção pra todos os bolsos.

Mas fica aqui uma dica que quase ninguém sabe: é possível conhecer a Gruta do Lago Azul de graça. Yessss! Diariamente às 7h da manhã a entrada é gratuita, já que a gruta foi intitulada patrimônio histórico. São 15 vagas gratuitas nesse horário todos os dias.

Para conseguir ir de graça: tem que ligar na Central de Atendimento ao Turista (CAT) no (67)32551850, onde irão solicitar que envie por e-mail o RG de cada pessoa que vai à gruta e um comprovante de residência. Feito isso, é necessário ir lá retirar o voucher um dia antes do passeio. Atenção: para chegar na gruta às 7h, é preciso sair às 6h de Bonito.

Porém… vale mais a pena se você estiver de carro. É que pagar um transfer, ou táxi, ou até mesmo um mototáxi até lá já faria o deslocamento de ida e volta sair mais caro que a entrada em si do lugar (que custa R$45). E não há transporte público que leva até lá.

Como se locomover em Bonito

Outra dica: se você não estiver de carro, indico utilizar o transporte compartilhado da EK Turismo. Eu usei em quase todos os meus passeios e achei excelente, pois eles me buscavam na porta do meu hotel e depois me deixavam lá de volta. Como alguns passeios costumam ser distantes (sério, teve lugar que levava mais de uma hora de estrada), eu ia e voltava tranquila e dormindo #SouDessas A própria agência Águas de Turismo reservava meu assento para cada passeio, e os preços variam conforme o lugar onde você vai.

Também utilizei muito mototáxi lá, e se você não for muito fora da cidade, não pagará mais que R$10. Já para lugares como a Gruta do Lago Azul, cada perna custa cerca de R$30.

Como ir de Campo Grande a Bonito

Por fim, muita gente vai até Campo Grande de avião e de lá segue para Bonito. Se você não vai alugar carro, a melhor opção para ir para Bonito é com o transporte compartilhado da Vanzella Viagens & Turismo. Indico reservar seus assentos diretamente com a Águas Turismo, custa R$100 o trecho Campo Grande-Bonito e eles te deixam na porta do seu hotel em Bonito.

Eles têm vários horários de saída por dia e dois pontos de encontro em Campo Grande: no hotel Nacional (não atrase nem um minuto se não quiser perder – eu atrasei 2 minutos, perdi e tive que pegar um táxi correndo até o segundo ponto de saída rsrs) ou no aeroporto de Campo Grande (onde o transfer fica parado um tempo antes de sair). A distância entre os dois pontos não é nem de 15 minutos, pois o aeroporto de Campo Grande não fica distante do centro da cidade.

…Num próximo post vou contar sobre os mais de 10 passeios que fiz em Bonito! E também vou dar dicas de onde comer lá (incluindo onde experimentar carne de jacaré sem precisar deixar um rim como pagamento). Aguardem 😉

Carla Boechat é jornalista, mestranda, curiosa que só, carioca da clara, inquieta e turista por vocação – e criação. Sempre com a mochila e um sorriso prontos, aposta que toda estrada pode esconder uma dica em potencial. E aqui é assim: se ela foi e gostou, virou post!