O Quirguistão foi um país que eu criei bastante expectativa nessa viagem. Na verdade, foi ele que originou todo esse roteiro! No início do ano eu vi uma lista da Lonely Planet com os 10 países que eles recomendavam visitar em 2019, com o Quirguistão lá, e aí comecei a pensar: “Tá, legal, mas e como eu posso incluir esse país que eu nem sei apontar no mapa num itinerário de viagem?”.

Se você não sabe (assim como eu também não sabia), o Quirguistão é famosíssimo pelos seus trekkings. Qualquer mochileiro que você comentar que vai pra lá, vai receber como resposta “Quais trekkings você vai fazer?”. Eu não fiz NENHUM. Isso mesmo, nenhum. Era o objetivo inicial, eu até que queria fazer alguma coisa, mas juntei com uma galera festeira e o que a gente fez foi curtir o Quirguistão como ninguém.

Portanto, se você está lendo esse post esperando dicas de trekkings no Quirguistão, caiu no lugar errado. Infelizmente, ou não, aqui vai rolar mais dica de cidades em geral, hostels, restaurantes, barzinhos e boate. Se essa também é sua vibe, bora junto!

Apresento a vocês a bandeira do país e como se escreve Quirguistão na língua local. Fácil, fácil, né?

Meu roteiro no Quirguistão

Eu visitei as duas principais cidades do Quirguistão, Bishkek e Osh, e também fiz o círculo completo do lago Isskyk Kul, passando por Khadi Saj, Karakol e Cholpon Ata. Essa última é o balneário badalado do país! Veja meu roteiro como ficou:

Leia aqui meu roteiro pelo Cazaquistão, país que visitei antes do Quirguistão!

Como eu fui de Almaty, no Cazaquistão, para Bishkek, no Quirguistão

Almaty e Bishkek ficam a cerca de 4 horas de distância, então essa é uma fronteira bastante usada por quem está viajando por terra entre os dois países. Nossa opção foi contratar um taxi compartilhado, já que estávamos em 4 pessoas.

Quando chegamos na estação, fomos abordados por diversos motoristas. Entre negociações, fechamos a viagem por 12.000 tenge (3.000 por pessoa). Ficamos com a sensação de ter pagado um pouco mais do que deveríamos, mas nessas situações sempre ficamos vulneráveis sendo turistas em um lugar desconhecido.

O combinado era que o taxista nos deixaria em nosso hostel, mas ao chegar na cidade ele parou em um lugar qualquer e disse que a corrida seria até ali. Fique esperto com esses caras. Eles sempre querem cobrar mais, ou não deixam no lugar combinado. Sempre escreva os valores e mostre a eles, e tente confirmar tudo o que está sendo negociado. Antes de chegarmos à fronteira o pneu do carro também estourou e precisamos parar para trocar.

4 dias em Bishkek, capital do Quirguistão

Eu cheguei a Bishkek vindo de Almaty, e na volta do meu passeio pelo lago Issyk Kul fiquei na capital mais uns dias antes de seguir de avião para Osh. A capital do Quirguistão é bem legal, é uma cidade viva, com pessoas receptivas, parques, edifícios enormes da era soviética, muitos restaurantes e cafés. Mas, por ser uma cidade relativamente nova, sem muitos lugares históricos.

Se você vai passar de uma vez só por Bishkek e está com tempo curto, uns dois dias na capital está ok. Leia aqui dicas do blog Viajar pelo Mundo do que fazer em Bishkek.

Onde ficar em Bishkek

Eu conheci dois hostels na capital. O primeiro foi o Capsule Hostel, eleito pelo Hostelworld como o melhor hostel do país. E é realmente impecável. Apesar de compacto, as cápsulas, onde ficam as camas, são bastante confortáveis e contam com televisão grande e ar condicionado individuais, por exemplo. É como um mini quarto para o hóspede. O hostel tem serviço de lavanderia e tem também uma cozinha bem básica à disposição, mas sem fogão, apenas microondas. A área comum é bem pequena, então não é o lugar ideal se você busca interação. Eu paguei 26 reais pela diária reservando pelo Booking em uma cápsula e mais 150 som pelo café da manhã.

O segundo hostel que me hospedei em Bishkek foi o Interhouse City Centre. É um hostel bem mais simples, mas que oferece maior interação e uma cozinha mais completa. Também têm serviço de lavanderia, e o café da manhã já está incluído no preço. Paguei 30 reais pela diária em quarto compartilhado feminino. Eles também tinham ar condicionado no quarto – ponto super importante no Verão, já que faz bastante calor!

Ambos hostels estão bem localizados, sendo que o segundo tem mais comércio próximo. Se você busca mais conforto, porém não pode gastar muito, o Hotel T3 é muito elogiado! Já se busca algo mais luxuoso, o Oreon Hotel pode ser uma escolha certeira.

Veja aqui mais opções de hospedagem em Bishkek!

Onde comer e beber em Bishkek

Como já comentei, há muitas opções aqui. No entanto, o serviço ainda deixa bastante a desejar, até mesmo em bons restaurantes. Na maioria das vezes lento, e se você for a lugares simples, certamente vai receber algum pedido errado. E não dá pra argumentar, pois eles não falam inglês. O bom é que tudo é barato, então você só aceita e tenta rir da situação.

Vamos lá:

  • Yp Kese: ótimo restaurante de comida local. Eles servem o pãozinho que amei no Cazaquistão, porém aqui sob o nome boorsok (quase o mesmo de lá). E eles têm suco natural (de verdade)! Uma raridade por esses lados.
  • Sierra Coffee: ótimos preços! E normalmente ponto de encontro da galera do couchsurfing. Não deixe de experimentar os hambúrgueres (até o vegetariano é sensacional).
  • Bellagio Coffee: fica quase do lado do Sierra, e também é ótima opção, inclusive se você busca um lugar pra trabalhar. Recomendo pedir o croissant recheado com champignon e queijo. Surreal de bom!
  • Metro pub: onde tudo termina. Eu ouvi isso de uma americana que mora no Quirguistão e foi basicamente o que aconteceu: em plena segunda-feira terminamos lá dançando e bebendo. Ótimos preços e festa de segunda a segunda.
  • Social Coffee: legal para fumar shisha e beber algo. O queijo empanado, do menu infantil, é uma delícia!

2 dias em Kaji Saj

Não ficamos exatamente na cidade de Kaji Saj, no litoral sul do lago Issky Kul. Eu descobri um lugar pelo AirBnb pelo qual eu simplesmente me apaixonei! Com várias yurts na beira do lago, onde é possível se banhar, parecia um sonho. E, o melhor, um sonho barato. Convenci meus amigos e fomos todos pra lá!

É novo no AirBnb? Se cadastre por esse link e ganhe 130 reais em créditos pra fazer sua primeira reserva!

Como ir de Bishkek a Kaji Saj

Nós fechamos um táxi privado, e mais uma vez sentimos que estávamos pagando mais do que deveríamos. No entanto, como combinamos de ele nos levar até as nossas cabanas, aceitamos o preço, por saber que era um lugar mais afastado.

Pagamos 4.000 som, e lá pro final da viagem o motorista começou a pedir mais. A gente se fez de bobo e esperou chegar no nosso destino. Uma vez lá, falamos firmes que aquele preço era o combinado e que não pagaríamos nada a mais.

Uma recomendação do meu hostel foi sempre observar se os motoristas estão bêbados, pois não é incomum. O nosso não parecia estar. Mas dirigia como um louco.

Onde ficar em Kaji Saj

Estamos falando de um lugar pra relaxar, curtir a natureza e não fazer nada – ou quase nada. São as cabanas chamadas Oimo Tash. Lugar simples e paradisíaco, que fica a 5 km de Khadi Saj e sem nada mais em seu entorno. Nós reservamos uma cabana para 4, e ao chegar lá nos deram duas cabanas, cada uma para duas pessoas.

Eles eram bastante desorganizados na adminstração. Para você ter uma ideia, nós fizemos nossa reserva pelo AirBnb, e eles alegaram que não acessam o AirBnb há mais de um ano. A sorte é que também escrevi pra eles pelo Facebook, então estivemos em contato e deu tudo certo.

Os banheiros da Oimo Tash são compartilhados. Eles oferecem refeições por 4 ou 5 dólares cada, e também disponibilizam cozinha pra quem prefere preparar sua própria comida. E vendem cerveja também! Disponibilizam umas cadeiras de praia na beira do lago, que, no calor do Verão, você certamente vai entrar. Cada diária custou 250 reais para 4 pessoas.

Veja mais opções de hospedagem em Kaji Say aqui!

O que fazer em Kaji Saj

A cidade mais próxima que na verdade funciona como um hub é Bokonbaevo. De lá é possível fazer alguns passeios, como a Caça com Águias (Eagle Hunting), que nós fizemos. Custou 6.000 som para até 7 pessoas no grupo. Eu fiquei bastante na dúvida sobre ir, e acabei acompanhando meu grupo de amigos. Você aprende bastante da cultura local, mas turismo com animais definitivamente é algo que me incomoda.

Na verdade, os animais que fizeram parte do passeio (águias, cavalo e cachorro) não são exatamente usados para Turismo, porque não há tantos turistas assim. É algo mais raro. São usados no dia a dia da família, e, quando há turistas, eles fazem conosco o treinamento que fariam normalmente. Nesse dia éramos apenas nós 4 vivenciando aquilo. Foi tudo muito lindo e bem organizado. Mas, no resumo, eu morri de dó dos bichos.

1 dia em Karakol

Karakol é a quarta maior cidade do Quirguistão, e frequentemente base para turistas que visitam o lago Issyk Kul. Nós ficamos lá apenas uma noite, e mal completamos 24 horas na cidade. Dica importante: o preço padrão pra se locomover de táxi pra qualquer lugar da cidade é 70 som. Não pague mais que isso.

Achei Karakol bastante conservadora. Foi o único lugar onde não me senti bem usando um shortinho curto, por exmplo. Tanto que parei em um brechó para comprar uma saia na altura do joelho. Há Igrejas ortodoxas e templos que você pode conhecer na cidade.

Os dunganes do Quirguistão

Próximo a Karakol há um pequeno povoado chamado Yrdyk onde está parte da população Dungan. Os Dungans (também chamados Hui) são descendentes de chineses com árabes que fugiram para a Ásia Central, em especial Quirguistão e Cazaquistão, devido a perseguições religiosas. Preservam até hoje suas tradições e língua.

Ao saber que estávamos próximos de uma cultura tão diferente, quisemos ir até Yrdyk conhecer um pouco mais desse povo. Nossa ideia era almoçar por lá, pois também vimos no Google que a culinária é bem tradicional. Fomos de táxi e, ao chegar lá, não encontramos nada. Não vimos pessoas nas ruas, não havia comércio, apenas casas normais. Seguimos andando até encontrar o que eu acho que foi o menor restaurante que eu já entrei na vida.

Fomos muito bem atendidos, mesmo a senhorinha não falando nem uma palavra de inglês. E acabamos virando a atração local. Depois de nos servir comida, ela chegou com um amigo – que a gente entendeu que era o dono do museu local. O tal senhor nos levou para um tour guiado privado pelo pequeno museu. Ele falava umas poucas palavras em inglês, bem poucas mesmo. Mas nos tratou com tanto amor e alegria, que valeu a pena cada minutos que ficamos ali. Foi uma experiência única.

Como ir de Khadi Saj a Karakol

De nossa cabana, nós fomos até Bokonbaevo, o principal hub da região. De lá saem diversas mashrutkas (minivans). Pegamos uma mashrutka até Karakol por 200 som. A viagem durou pouco mais de duas horas.

Onde ficar em Karakol

Recomendo demais o nosso hostel, o Duet Hostel. É um lugar simples, mas onde você vai encontrar diversos viajantes. Os quartos são dentro de yurts, então isso é um plus na experiência.

Ficamos num quarto para seis pessoas, e paguei 23 reais. O café da manhã não está incluído, mas eles têm um café chamado Meeting Point que serve diversas comidas. Me parece que esse já foi um party hostel, e agora eles estão tentando mudar a imagem para algo mais tranquilo.

Veja mais opções de hospedagem em Karakol aqui!

Onde comer em Karakol

Tive pouquíssimo tempo aqui. Mas dá pra dar algumas dicas:

  • Meeting Point: já que nosso hostel era aqui, acabamos comendo pizza, bolo, café da manhã. Comida justa por um preço justo.
  • : lugar mais engraçado da vida. Era meio que restaurante/bar/karaoke/boate/tudo junto. Chegamos lá sem muita expectativa, e acabou sendo super divertido. Bebemos , fumamos shisha, dançamos, cantamos. E fomos a atração da festa – os únicos estrangeiros.

2 dias em Cholpon Ata

Essa é a cidade mais enérgica da costa do Issyk Kul! Um balneário mais agitado, com mais vida, com resorts, com bares e festas. Fica no literal norte do lago. Fomos pra ficar uma noite só, e não resistimos a prolongar por uma noite mais. Se você gosta de festa, no Verão venha pra essa cidade do Quirguistão.

Como ir de Karakol a Cholpon Ata

De Karakol saem diversas mashrutkas (minivans). Então não foi difícil pegar uma para Cholpon Ata. Esperamos uns 2 minutos até encher o carro e partimos. A viagem custou 300 som e durou cerca de 4 horas, com uma parada rápida para descanso.

O que fazer em Cholpon Ata

Basicamente curtir a praia, comer, beber e curtir a noite.

Onde ficar em Cholpon Ata

Ficamos em um hostel bem, bem, bem simples, que eu não recomendaria se não fosse o preço e a localização – essa, impecável. Se chama Apple Hostel. Se você busca um lugar baratinho, fique aqui. Mas já sabendo que não vai estar entre os melhores hostels da sua vida.

Era até limpinho e organizado, mas uma criança de uns 12 anos era responsável por administrar e limpar o lugar. Meio absurdo.. E o banheiro nem sempre estava limpo. Só prolongamos uma noite mais lá pela localização, literalmente de frente pro melhor bar da cidade. Paguei 24 reais pela diária em quarto compartilhado feminino.

Outras opções são o Family Guest House, também simples, e o Dolinnka Hotel, mais bonitão, porém mais afastado também.

Veja mais opções de hospedagem em Cholpon Ata aqui!

Onde comer e beber em Cholpon Ata

Se prepare pra festar por aqui! Hahaha!

  • Barashek: é o lugar mais óbvio da cidade (e era de frente pro nosso hostel). Central, bonito, com boas opções de comida e bebida. Fui lá três vezes! Único ponto negativo: serviço muito lento (como em todo o país).
  • U Rybaka: é o restaurante número 1 do Trip Advisor. Achei ok, nada muito especial. À noite vira meio que uma festa.
  • White alguma coisa: eu não consigo lembrar o nome desse lugar! Nem sei como fomos parar lá. Começamos bebendo no Barashek e terminamos nessa boate (fica no início da cidade pra quem vem de Karakol). Uma boate SUPER moderna, enorme, com ótima música e até mulheres semi nuas dançando em cima do balcão. Nesse dia chegamos no hostel já de manhã. Tô te dizendo, a night em Cholpon Ata é coisa séria.
  • Karven Four Seasons: nós não pisamos na praia enquanto estávamos em Cholpon Ata. Mas se é a sua ideia, esse é um beach club que vi algumas pessoas frequentando no fim de semana em que estive lá.

1 dia em Osh, segunda maior cidade do Quirguistão

Eu finalizei meus dias no Quirguistão em Osh, geralmente a fronteira mais óbvia pra quem vai seguir pro Uzbequistão ou pro Tajiquistão (pra fazer a Pamir Highway). É uma cidade normal, sem grandes atrativos. Uma noite, pra mim, foi suficiente.

Como eu fui de Bishkek pra Osh

Depois de dias quicando em mashrutkas pela costa do lago Issyk Kul eu me dei o luxo de pegar um voo barato de Bishkek para Osh. Comprei com a Pegasus e paguei 215 reais, mas acabei viajando com a Air Manas. O voo durou 50 minutos, e meu hostel de Osh enviou um transfer pra me buscar no aeroporto por 5 dólares.

O que fazer em Osh

Sinceramente, não sei. Fiquei muito pouco tempo na cidade, e nem cogitei turistar. Tentei achar algum blog com dicas em português da cidade, mas não consegui. Então deixo aqui a lista do TripAdvisor.

Onde ficar em Osh

Eu fiquei uma noite no Park Hostel e achei uma ótima escolha. Muito bem localizado, com um bar animado chamado Sky Bar logo ao lado. Fui super bem recebida, o quarto era limpo e organizado, assim como os banheiros. Paguei 23 reais pela diária em quarto compartilhado. Eles também oferecem cozinha aberta ao hóspede, mas eu nem cheguei a usar.

Se você busca algo com mais conforto sem gastar muito, o Lovely Home For You está bem localizado e recebe muitos elogios. Se busca algo mais luxuoso, o Jannat Resort Osh é o único 5 estrelas da cidade.

Veja aqui mais opções de hospedagem em Osh!

Onde comer em Osh

O forte por aqui são os kebabs, que você vai ver pra todo lado.

  • Tsarskiy Dvor: é um restaurante legal com diversas opções de kebabs. Como não como carne, pedi um de legumes e estava bem gostoso. Cuidado: no cardápio está escrito que o suco é natural, você vai perguntar pra garçonete se é, ela vai confirmar, e no final vai trazer um suco de caixinha (algo bem comum por aqui).
  • Café Borsok: vim para um café da manhã, e foi bem decente. Ambiente legal!

O Quirguistão é seguro para turistas?

Esse foi o único país de minha viagem que não rodei sozinha. Estava com um grupo de amigos que conheci no Cazaquistão. Nos sentimos bastante seguros todo o tempo, e as pessoas foram sempre muito receptivas conosco.

Nosso único problema mesmo foi com taxistas, uma questão universal. Mas nada perigoso, apenas gente se fazendo de esperta. A não ser que eles estejam bêbados.

Chamo atenção aqui para mulheres viajando sozinhas. Em lugares pequenos no Quirguistão ainda acontecem sequestros de mulheres para casamento. Eu tinha lido isso na internet e, bom, achei que era algo que não acontecia mais. No entanto, duas garotas locais comentaram isso comigo e me disseram pra viajar sozinha apenas em cidades grandes.

Essa parada no Quirguistão foi parte de uma viagem que fiz sozinha por três meses e que começou na Rússia e terminou no Usbequistão! Clique aqui pra ler meu roteiro!

Deixe uma Resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui