A quinta cidade que estou visitando na Rússia é Irkustk, na Sibéria, uma as bases pra quem quer visitar o Lago Baikal. Aliás, se você não sabe, esse lago é o mais profundo do mundo, tem 636 km de extensão e é maior que o estado de Alagoas! Definitivamente um ponto de parada obrigatório para quem está fazendo essa viagem de trem em território russo. A cidade à beira do lago mais próxima a Irkutsk é Litsvyanka, que eu visitei também por alguns dias.

Para você entender, essa está sendo a minha rota na Transmongoliana, parte de uma viagem de 2 meses e meio sozinha: São Petesburgo, Kazan, Ecaterimbugo, Krasnoiarsk, Irkutsk, Ulan Ude (todas na Rússia) e por último atravesso para Ulan Bator (já na Mongólia).

No início do século XIX, muitos artistas russos, oficiais e nobres foram enviados para o exílio na Sibéria. E Irkutsk virou o grande centro da vida intelectual e social para esses exilados, onde grande parte do patrimônio cultural da cidade vem deles, assim como muitas de suas casas de madeira, enfeitadas com ornamentos talhados à mão, que hoje sobrevivem em forte contraste com o padrão de blocos de apartamentos soviéticos que os cercam. 

Em Irkutsk foi onde eu comecei finalmente a ver uma leve influência mais asiática nas pessoas e na arquitetura, mais de 1.000 km depois de ter deixado o lado europeu russo. Gostei bastante da minha estadia por aqui, que foi dividida entre Irkutsk e Litsvianka.

Irkutsk é cortada pelo rio Angara, único na Rússia cuja água provém do Lago Baikal

Vamos às dicas desses dois lugares?

Dicas gerais de Irkutsk

Eu fiquei em Irkutsk um total de 3 noites (mais 2 noites em Litsvyanka). Foi mais do que eu precisaria. Se você fizer o bate-volta de um dia para Litsvyanka para visitar o Lago Baikal, considere um mínimo de 2 noites em Irkutsk. Porém, se você dormir em Litsvyanka, como em fiz, 1 noite em Irkustk está de bom tamanho.

Onde ficar em Irkutsk

A referência para estar bem central em Irkutsk é a rua 3rd of July (ulitsa 3 Iyulya). Eu escolhi um hostel suuuuper bem localizado em Irkutsk e com excelente preço. Foi o Rus Hostel da rua Marata (há mais de um da rede na cidade), que está a 3 minutinhos andando do principal monumento a Lenin na capital (há outros 3!).

Além da ótima localização, o pessoal da recepção falava inglês, o que ajudou muito. Não têm café da manhã, mas oferecem cozinha à disposição do hóspede. E também máquina de lavar (100 rublos por cada uso).

Fiquei em um quarto compartilhado para até 8 pessoas, e a cama tinha abajur e tomada individuais. Foi o hostel com melhor preço que fiquei em toda Rússia (370 rublos por noite).

Se você busca algo intermediário, como uma pousadinha, o Boutique Hotel Marussia tem excelente localização. No entanto, se busca algo mais luxuoso, o Courtyard by Marriott Irkutsk City Center Hotel é um dos melhores hotéis da cidade.

O que fazer em Irkutsk

A rua mais movimentada da cidade é a 3rd of July (ulitsa 3 Iyulya), com diversos restaurantes, cafés, bares. Alguns lugares se referem a ela como a “Las Vegas de Irkustk”. Não acho que é para tanto, mas é o lugar mais divertido. Então não deixe de ir lá ao menos uma vez. No início dessa rua há um monumento do Barb (uma lenda da cidade), não deixe de observar ou tirar uma foto. Tem também uma máquina onde você imprime na hora algumas fotos do seu Instagram ou do celular. Uma ótima lembrança da viagem!

Eu contratei um city tour pelas experiências do AirBnb. Eu sempre quis conhecer um desses passeios oferecidos por moradores locais que a plataforma tem, e achei que seria uma boa oportunidade. Se você vai ficar pouco tempo em Irkutsk, pode ser uma excelente escolha, pois assim você otimiza seu tempo.

O meu tour durou 3 horas, foi organizado pela Irkutsk Urban Adventures e minha guia foi a Marina. Fizemos um passeio a pé, passando pelos principais lugares da cidade, ouvindo muito sobre a história local e aproveitei para tirar muitas dúvidas que eu tinha. Como não há muitos russos que falam inglês, eu amei estar tanto tempo com uma pessoa local disposta a conversar.

O tour não era privado, mas acabou sendo, pois eles são novos e nesse dia eu era a única que comprou o passeio. Incluiu uma parada em um lugar especializado em pelmenis (comida típica russa) e terminou fazendo uma degustação de polugar (bebida típica russa). Adorei e indico!

Se você preferir visitar os principais pontos da cidade por conta própria, então pode seguir uma linha verde nas calçadas da cidade (tipo a linha vermelha que tem em Ecaterimbuego).

Além do city tour, você, claro, vai querer aproveitar para conhecer o Lago Baikal. Mas vou falar sobre ele no tópico de Litsvianka.

Onde comer e beber em Irkutsk

  • Rassolnik: NÃO deixe de ir a esse restaurante, que simula um apartamento dos anos 60 durante a União Soviética. É verdadeiramente uma viagem ao tempo, e a comida bem gostosa. Eu pedi a sopa de champignon, típica russa, que leva o nome da casa e também o queijo empanado frito. Indico! Ah, e eles têm menu em inglês.
  • Baikal Love Cafe: ótima oportunidade de experimentar mais da culinária local com excelentes preços, baratinho mesmo, como por exemplo buryat, pelmeni, chebukeri.
  • Pelmeni King: é o restaurante que fui durante o tour, e o nome já diz tudo, né? Se joga na culinária russa!
  • The Library Bar: esse é mais um bar que restaurante, mas super indicado, em especial para fazer a degustação de polugar que fiz em meu tour.
  • Don Otello Cinema Club: como o nome já diz, a decoração é inspirada em clássicos do cinema. Boa música, bons drinks. Adorei o queijo empanado daqui (já viram que esse petisco é um padrão pelos restaurantes de Irkutsk, né?
  • Bacchus: pub com uma carta grande de cervejas belgas. Recomendo! Inclusive os queijos empanados, que eu também comi aqui! Rs
  • Kinza: fica na movimentadíssima rua xxxx, e aqui foi o melhor khachapuri que comi em toda a viagem! É meio que um pão caseiro, com a borda recheada com queijo e ovo no meio.
O Rassolnik é mesmo uma viagem no tempo! Não deixe de ir a esse restaurante em Irkutsk.

Transmongoliana: de Krasnoiarsk a Irkutsk

Como comentei acima, essa parada em Irkutsk é parte de minha rota cruzando a Rússia de trem. Comprei meus tickets pelo aplicativo da RZD, que tem uma versão em inglês. 

Foram umas 17 horas de viagem de Krasnoiarsk até Irkutsk. Eu comprei a cama em segunda classe, em cabine compartilhada para até 4 pessoas. O ticket custou 4.074 rublos e incluiu cama (com roupa de cama e toalha). A cabine contava com duas beliches, uma mesa central e cabides para pendurar casaco. O trem contava com banheiro bem básico.

Compartilhei a cabine com um senhor e mais dois garotos russos. Todos foram bastante simpáticos, tentando se comunicar comigo em russo. No entanto, durante a madrugada os dois russos entraram e saíram da cabine algumas vezes, acendiam a luz, conversavam. Isso me atrapalhou um pouco a dormir.

Isso me fez pensar que eles deveriam estar reunidos com amigos em outra cabine conversando e tomando vodka (como eu já havia lido em algum lugar que costuma acontecer). Porém eles estavam tomando apenas chá. Em nenhuma de minhas viagens vi russos bebendo qualquer coisa alcoólica, o que me faz pensar que isso deve ser uma lenda.

Sigo sem esbarrar com turistas nos trens, apenas russos. E já é quase verão por aqui – quando é a alta temporada nos trens.

De Irkutsk eu seguiria para Ulan Ude, ainda na Rússia, porém precisei mudar meus planos pois consegui agendar para ver um médico em Irkutsk (eu quebrei a minha mão um dia antes de começar a viajar). Com isso cancelei a ida a Irkutsk, e comprei tickets para ir direto de Irkutsk para Ulan Bator, capital da Mongólia.

Litsvyanka: à beira do Lago Baikal

Como comentei acima, fiquei aqui duas noites e achei um ótimo período para curtir com calma. Você pode fazer o bate-volta em um dia, dormir apenas uma noite ou até mais – como eu fiz.

Litsvyanka é considerado um balneário russo, e os locais se referem ao lago como um mar. Até que o Lago Baikal parece mesmo um “mar” lindo e infinito. Ali está uma cidade bem pequenininha, que te dá um gostinho da Sibéria, da natureza na Rússia. Se você vier aqui no Inverno, vai pegar, além da temperatura muitooooo baixa, o lago completamente congelado! Deve ser um sonho também.

Outra opção para visitar o Lago Baikal saindo de Irkutsk seria Olkhon Island, porém fica um pouco mais longe e o ideal é dormir lá. Dizem que é mais bonito e a água do lago seria mais quentinha lá. Se eu tivesse me organizado melhor (ou se não fosse pelo imprevisto do médico), daria pra ter ido. Leia dicas de Olkhom Island aqui no blog Victor´s Travel.

Como ir de Irkutsk a Litsvyanka

A opção mais econômica é ir de marshrutka (que não passam de mini-vans), numa viagem que leva cerca de 1h30. Essa foi a minha escolha, tanto para ir como para voltar, e a passagem custou 150 rublos cada trecho.

As marshrutkas não são o meio de transporte mais rápido, mas pra uma horinha de viagem tá valendo!

As marshrutkas saem do terminal de ônibus principal da cidade, conforme tabela a seguir. Eu queria pegar a de 11h saindo de Irkutsk e deixei para comprar quando cheguei lá, porém já estava cheia e tive que esperar pela de 13h30 (era sexta-feira do primeiro fim de semana de verão, então acredito que por isso lotou). Mas sem stress, esperei num café, peguei o ônibus das 13h30 e antes de 15h eu já estava em Listvyanka e admirando o Lago Baikal.

Na volta, pra garantir, eu comprei minha passagem um dia antes (pois voltei no domingo, logo imaginei que poderia estar lotado com a galera voltando pra capital). Porém resultou que a van saiu vazia, e foi enchendo com gente comprando e subindo pelo caminho. As vans saem de Litsvyanka do mesmo lugar onde você vai descer.

Existem outras maneiras de chegar a Litsvyanka, então deixo aqui o link do blog Vivendo Viajando, que dá essas dicas extras.

Onde dormir em Litsvyanka

Eu cheguei a Litsvyanka com a dica de um hostel mais baratinho, o Belka Hostel. Se você está economizando, acredito que essa seja a melhor opção para você, pois as hospedagens por aqui costumam ser um pouquinho caras.

Porém fui andando até ele, e no meio do caminho me dei conta de que ele ficava mais afastado do lago do que eu gostaria. Então parei em um bar, pedi uma cerveja e comecei a fuçar o Booking em busca de outra opção econômica. Não havia muitas, certamente porque já estavam cheias devido ao fim-de-semana. Então me contentei com as mais ou menos econômicas, joguei “Como chegar” no Google Maps e fui andando.

A primeira opção que escolhi do Booking acho que não existia. Ou o endereço estava errado. Fui parar numa casa privada, toquei a campainha, gritei e ninguém apareceu. Mesma coisa com a minha segunda opção, no entanto, dessa vez fui atendida por um casalzinho de senhores – que, diga-se de passagem, não falavam nada de inglês.

Conversa vai, conversa vem, mostra o Google Maps daqui, usa o Google Tradutor pra lá, consegui entender que eles alugavam quartos. Pedi pra subir e dar uma olhada. Era uma casa de frente para o lago, e meu quarto (privado) tinha até uma varandinha básica com vista pro Lago Baikal. Banheiro compartilhado, sem café da manhã, cozinha aberta para uso.

Perguntei o preço, ela pediu 1.500 rublos por noite, chorei e caiu pra 1.400 rublos. Fechei ali mesmo (era na verdade o mesmo preço que eu pagaria no outro lugar que estava buscando). Agora… se você me perguntar a dica, só vou poder enviar uma foto e dizer que fica exatamente na metade do caminho entre o centrinho e o museu.

Que linda a casa onde me hospedei de frente para o Lago Baikal! Infelizmente não sei o nome pra indicar.

Se você não quer se aventurar, e quer conforto, um dos hotéis mais famosos da cidade é o Mayak Hotel.

O que fazer no Lago Baikal, em Litsvyanka

Dizer pra você ficar curtindo o lago, admirando, tirando fotos, etc não é o suficiente, né? Apesar de ser a coisa principal que você vai fazer lá! Mas não se preocupe, há algumas dicas extras pra ocupar o seu tempo:

  • Mercado de peixes: não apenas de peixes, mas de artesanato local e outros souvenirs também. Aquela típica parada obrigatória, onde você vai ver omul defumado aberto pra todo lado (omul é o peixe ícone da região).
  • Passeio de barco: há algumas pequenas agências de turismo oferecendo passeios de barco que vão desde meia horinha até um dia inteiro, com o preço começando em 1.000 rublos.
  • Shaman: é uma grande pedra cheia de significado e considerada preciosa. O melhor jeito de tentar chegar mais perto dela é de barco.
  • Museu Baikal: é legal, todo mundo vai, mas talvez você encontre mais informações em inglês no Google do que lá. No entanto, se você não for parar e buscar tudinho no Google, vá até lá pra entender mais sobre a grandiosidade do lago que estará visitando. Um detalhe que não gostei: eles têm um aquário com as focas típicas da região presas e eu não concordo nem um pouco com exploração animal.
Assim é vendido o Omul no mercado de Litsvyanka! Esse é o peixe típico do Lago Baikal.

Onde comer em Litsvyanka

  • Shaman: o restaurante que leva o nome da pedra local foi o que eu mais gostei, e o preço era excelente, além de terem menu em inglês. Ficava de frente para o Lago Baikal. Pedi, claro, o omul. Escolhi o que vinha gratinado com queijo, acompanhado de purê de batatas, do pão da casa e suco.
  • Berg House: lugar simples, também de frente para o lago. Mais uma vez comi o omul gratinado com queijo, dessa vez com batata cozida. E de entrada bolinhos de batata, bem típicos aqui da região também.
  • Artin´s Wine: aqui não é exatamente um restaurante, mas um mercado com ótima seleção de vinhos para curtir um fim de tarde ao melhor estilo russo – nas mesinhas de piquenique na beira do lago.
Um sábado de verão no Lago Baikal: todo mundo vem curtir a “praia” russa!

De Irkutsk estou indo de trem para a Mongólia, depois de 25 dias na Rússia, 65.000km percorridos de trem e seis cidades visitadas. Quais as suas dúvidas? E quais as suas dicas? Compartilha aqui embaixo com a gente!

Deixe uma Resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui