Croácia: primeiro mês, primeiras impressões

25

Essa semana fez um mês que cheguei na Croácia, mas foi depois de rodar pela costa da região da Dalmácia (Split, Hvar, Pag, Zrce, Zadar, Biograd) e finalmente fixar residência em Zagreb que pude conhecer de verdade um pouco mais dos costumes do país e do povo daqui (quem me acompanha nas redes sociais já sabe, eu tô tão, mas tão in love por tudo isso aqui…!).

Primeiro de tudo, e que eu consegui perceber nos meus primeiros cinco minutos na capital, as pessoas aqui são excessivamente receptivas e atenciosas. Dá até vergonha tem hora! Você pede informação de um lugar, eles te pegam pela mão e te levam lá. Se não falam inglês, arrumam alguém que fale por perto. Se não sabem responder onde é a rua X, pegam o próprio smartphone e buscam. Estou apaixonada pela educação do povo croata, em especial em Zagreb, que é menos turística que os destinos de praia e por isso é mais fácil conviver com a galera que é daqui.

Segundo: se te chamarem pra um cafezinho, não espere nada além do simples café, ou fava, como dizem aqui, (no máximo um café com leite) acompanhado de um copo de água. Mas, para essa pequena xícara de café reserve no mínimo três horas do seu dia. Os próprios croatas brincam com esse costume e com a crise no país para explicar por que as mesas dos cafés estão sempre cheias, mesmo em horário de expediente: é que os croatas se encontram para tomar uma xícara da bebida e poder reclamar por horas dos problemas e da dificuldade em encontrar emprego na Croácia. Ah, e se eles têm emprego e trabalham, as reuniões são feitas nas cafeterias. Ou terminam lá para selar o encontro. Tudo gira em torno do café. Eu já sabia desse costume e semana passada reservei 1h30 para tomar um café com uma amiga croata ao lado da minha casa (no Brasil eu faria isso em menos de 30 minutos). Sentamos, pedimos um café cada e começamos a conversar. Após três horas precisei sair correndo porque estava atrasada pra minha aula…

café croácia

Mais uma observação: eles não usam adoçante, gente! Só açúcar! Em uns poucos lugares consegui encontrar um tal de “natren” que é utilizado por diabéticos, mas que não é nada popular. Alô Zerocal, vem pra Croácia!

Bom… E a guerra? O que ouço, em especial dos mais jovens, é que ela é antiga, mas ao mesmo tempo muito presente. Muitos tiveram familiares diretamente envolvidos, pais que serviram durante a guerra, alguns perderam parentes nas batalhas. Tudo isso faz cerca de 20 anos e eles eram jovens na época, mas se recordam das invasões, dos pais fora por muito tempo. Aqui em Zagreb quase não houve conflito (na verdade houve “apenas” dois ataques), mas há cidades próximas que foram destruídas. Ainda há um rancor com relação à Sérvia, mas isso é muito pontual. Aliás, esse é um assunto muito delicado aqui, então tome cuidado a quem você pergunta, principalmente se estiver conversando com pessoas mais velhas. Você pode acabar tendo um grande desentendimento.

E… se não é possível falar abertamente sobre essa relação com a Sérvia, tente perguntar o que eles acham da Eslovênia. Ou o que os eslovenos acham dos croatas. Existe alguma rixa entre os dois países, mas ainda vou me aprofundar mais no assunto com amigos – e quem sabe isso vira assunto pra um post Croácia: segundo mês, segundas impressões 😛

Uma grande curiosidade é que, antes de eu me mudar pra cá, os brasileiros perguntavam o tempo toooodo: ué, mas por que um intercâmbio na Croácia? (isso rendeu até post, clica aqui pra ler). Agora que estou aqui, são os croatas que perguntam: nossa, você é do Brasil!!! E por que a Croácia? Para eles, o Brasil já é suficientemente tão lindo, que ninguém precisaria sair daí (concordo com a parte do lindo, mas discordo absolutamente que alguém deva viver pra sempre em um lugar só). Acho engraçado ambos os países, Brasil e Croácia, se acharem tão distantes assim. Brasileiro viaja com tanta facilidade pra Paris. Croácia também é Europa, minha gente, hellooooo! Só que uma Europa muito mais barata (por enquanto) e prontinha pra ser explorada fugindo de passeios clichês (tenho taaaanto pra mostrar aqui no blog ainda!). Longe é Papua-Nova Guiné. A Europa é logo aqui 😀

Amo o telhado dessa Igreja <3
Amo o telhado dessa Igreja <3

Pra não dizerem que só estou contando o lado bom, lá vai: a saúde pública aqui é péééssima – há um mês esperei três horas por um atendimento e, no total, fiquei cinco horas e meia no hospital sozinha e sentindo dor (contei aqui no blog que quebrei meu braço numa ilha croata saltando de bungee jumping, né?). Tudo isso pra depois eu conseguir me consultar com um médico particular e ele descobrir que, além da fratura no húmero que o médico anterior havia constatado, havia mais duas no meu ombro que não haviam sido descobertas! Pois é, não é só o Brasil que está na pindaíba não. Por aqui a coisa também está engatinhando (não viajem nunca sem seguro saúde, esse virou meu mantra).

E mesmo com crise e esses problemas, os croatas têm um orgulho do próprio país! Talvez um efeito da conquista da sua independência, tão sofrida. Mas eles fazem questão de lembrar que a gravata surgiu aqui, que Nikola Tesla nasceu aqui, falam de suas comidas e bebidas típicas (provem o burek, provem a rakija, provem o sorvete, provem jaffa, provem cevapi), amam os cantores croatas, vibram com os times croatas (futebol em primeiro lugar, basquete talvez em segundo). Eu mesma já estou amando ouvir música croata e reconheço várias na rádio.

É claro que já fui a um bar só de rakijas.. :D
É claro que já fui a um bar só de rakijas.. 😀

Mas se você resolver se aventurar de verdade nos costumes croatas, aí vão algumas coisas que eles fazem: colocam coca-cola no vinho tinto, água com gás no vinho branco, comem salada no café da manhã (alface e tomate mesmo), colocam cebola crua em tudo, colocam maionese em tudo (maionese mesmo, pegam um tubo de maionese e espremem no prato e mergulham a carne ali) – e mesmo assim são magros!!! Ó raiva…

Pra terminar, aqui é barato! #VemPraCroáciaGentem Claro que no verão algumas cidades ficam mais caras, e Dubrovnik é eternamente mais cara que o normal, mas ainda assim é mais barato que muito país europeu. Você aluga um apartamento de um quarto muito legal no Centro de Zagreb, bem localizadíssimo, por uns 300 euros por mês (até menos). Você encontra cerveja (de meio litro!) em bares por 10 a 12 kunas, ou uns 5 a 6 reais – mesmo nessa cotação louca do euro a R$4.50. O famoso e interminável café, num lugar bem legal, custa umas 8 kunas, ou cerca de 4 reais – é o encontro entre amigos mais barato da vida! Um sanduíche sai por umas 20 kunas, ou 10 reais (mas pode custar até a metade do preço numa lanchonete mais simples). Minha passagem de ônibus para Graz, na Áustria, custou 8 euros – atravessando dois países pra chegar lá. O táxi percorre uma distância de uns 6 km, de madrugada, e custa apenas 30 kunas, ou uns 15 reais. Eu disse de madrugada. É barato. E é lindo. E é seguro. E as pessoas são puro amor <3

Forever...
Forever…

Ps.: Entendam que essas são as minhas impressões, com base no que estou vivendo aqui. Não tenho a intenção de escrever verdades absolutas sobre lugar nenhum, apenas compartilhar com vocês a visão de uma jornalista e estudante brasileira vivendo aqui sozinha e fazendo muitos amigos croatas. Espero em um mês trazer novas impressões da minha experiência nesse país incrível. Pra receber posts novos no seu e-mail, é só se cadastrar aqui na lateral ->

Bok! Hvala! 😉

Carla Boechat é jornalista, mestranda, curiosa que só, carioca da clara, inquieta e turista por vocação – e criação. Sempre com a mochila e um sorriso prontos, aposta que toda estrada pode esconder uma dica em potencial. E aqui é assim: se ela foi e gostou, virou post!

Discussion25 Comentários

  1. Oi Carla! Estou de férias na Croácia com meu marido e achei seu blog “por acaso”. Estou amando, estivemos em Plitvice, Zadar e agora Dubrovnik.
    “Causo de viagem”:
    Hoje voltando pro nosso hostel, na calçada tinha uma oliveira carregada de azeitonas, uma escada apoiada na árvore, três senhores na faixa de 60-70 anos conversando por perto e algumas azeitonas no chão. Meu marido pegou três do chão. Um dos senhores veio até nós, com um saco de pano lotado de azeitonas. Eu falei com ele mas ele não entendeu, ele desandou a falar com a gente e também não entendemos nadinha. Mas ele falou, falou, até que por gestos entendemos que ele queria que meu marido não levasse as azeitonas. Meu marido as colocou no pacote do senhor, e seguimos sem entender nada… Era uma árvore em um local público, as azeitonas que estavam no chão já estavam bem “machucadas”, não parecia que ele usaria aquelas azeitonas se não tivéssemos pego. Achamos bem estranho! Você sabe se há algum costume relacionado a isso??
    Obrigada!

    • Ei Fernanda! Q delícia de viagem..
      Olha, uma coisa q ouvi falar è q essas azeitonas direto do pé são muito azedas! Me recomendaram não comê -las por esse motivo.. talvez ele estivesse tentando te explicar isso! Rs..
      Isso foi outra coisa que reparei aqui e esqueci de mencionar no post. Eles não se importam muito se vc não fala croata e não está entendendo nada, eles continuam falando mesmo assim. Haha.. é engraçado…
      Q bom q gostou do blog! Seja super bem vinda! E bom resto de viagem ?

  2. Oi Carla!

    Estava navegando na internet e achei seu blog por acaso e comecei a ver as histórias, os locais que você foi ,comidas e fiquei morto de saudade da minha amada Croácia. Percebi que em muitos dos casos você teve as mesmas impressões que eu a respeito da cultura ,receptividade e o fantasma da guerra.

    PS: se tiver oportunidade conheça uma cidade pequenininha chamada KUTINA, ela fica á 40 minutos de Zagreb e foi lá que eu morei 😀

    Estarei esperando mais postagens!

    • Ei, Christiano!
      Estou apaixonada pela Croácia… E pelas pessoas daqui, super receptivas e atenciosas! Q bom q tivemos experiências parecidas 😀
      Opa, já anotei aqui o nome para tentar ir. Infelizmente meu tempo aqui está ficando curto, deixo a Croácia logo após o ano novo. Mas nesse último mês meu foco será em conhecer melhor o entorno de Zagreb. Obrigada pela dica!
      Espero q curta os próximos posts 😉
      Um abraço!

  3. Oi, Carla!
    Meu namorado é croata, a gente se conheceu aqui no Brasil e estamos juntos faz um ano e meio, e agora em dezembro vou pra Zagreb passar o ano novo com ele e conhecer a cidade pra ver se rola, quem sabe, uma mudança mais definitiva… 🙂
    Adorei seu post, me deixou muito esperançosa (especialmente em relação à hospitalidade)!
    Vou fuçar mais no blog para ver os próximos “contos croatas”, hahahaha!
    Beijo!

    • Ei, Mari. Juraaa, q máximo.
      Acho q vc vai se encantar pela cidade e pelo país, ainda mais tendo alguém daqui para te mostrar tudo. Os croatas são muiiito receptivos. E o país é lindo! Zagreb já está toda enfeitada para o Natal e estou encantada.
      Também vou passar o ano novo aqui. Se prepare para o frio! rsrs..
      Espero q curta os outros posts 😉
      Um beijo

  4. Oi! Adorei o blog e o post!
    Queria saber o que você acha sobre a vida noturna de Zagreb. Vou passar um mês aí no ano que vem, mas andei lendo sobre isso e me desanimei. Qual sua impressão?
    Obrigada!

    • Ei, Carolina!
      Obrigadaaa 😀
      Olha, vou te ser sincera. Não saí muito à noite em Zagreb. Mas tenho amigos que saíram bastante e curtiram. Há umas festas para etsudantes etsrangeiros (procure no facebook o grupo Erasmus Students Zagreb). O que conheço aqui são os barzinhos. Tem uns bem legais no centro, de quinta a sábado ficam bem cheios. Há também boates, mas não fui a nenhuma.
      Sinto muito não poder ajudar muito… E espero que você venha mesmo assim e curta a cidade, estou amando morar aqui!

  5. Carla,
    Voce sabe me indicar algum bairro em Zagreb para alugar uma casa por 3 meses, eu tenho cidadania Croata e morando ai com minha esposa e filha consigo passar para elas.

    Obrigado
    Vanderlei

    • Oi, Vanderlei!
      Qualquer lugar em Zagreb é bastante seguro. Para estar muito bem localizado, a melhor opção é alugar apartamentos próximos à Main Square (mas são mais caros). Próximo ao Maksimir Park ou a Jarun também são ótimas opções.
      Indico esse site http://www.njuskalo.hr/iznajmljivanje-soba/zagreb . É em croata, mas com a ajuda do Google Translator dá para entender alguma coisa (não sei se vcs falam croata). Os preços são muito melhores q no AirBNB. Também indico esse site aqui http://www.homeinzagreb.com/
      Eu moro em Zapresic, é uma cidade a 15km de Zagreb e mais em conta.
      Espero ter ajudado!
      Um abraço e boa sorte,
      Carla.

  6. Pingback: Restaurante Rodízio do Brasil – Sim, tem comida brasileira de verdade em Zagreb! | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  7. Pingback: Onde ficar em Zagreb, Croácia – Hostel Bureau | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  8. Oi Fernanda!

    Estou amando seus relatos! fiquei muito curiosa sobre como vc se planejou para ir para a croácia, se está fazendo curso ou trabalhando ou se foi por agencia mesmo… é que meu pai era croata e é um sonho meu ir, mas a grana é curta né! aí seria legal saber como vc foi!

    beijos,
    Danubia :*

    • Ei, Danúbia!
      Eu fui pelo meu mestrado na UFRJ – o famoso mestrado sanduíche, em que você faz uma parte no Brasil, e outra no exterior. Então não precisei de agência, fui estudando. Mas dá tranquilamente para você ir para lá por conta própria. Brasileiros não precisam de visto e, apesar da passagem aérea ser carinha, a Croácia não é um país caro (meu custo de vida lá morando em Zagreb era mais baixo que no Rio, por exemplo).
      Aqui no blog eu ofereço um eBook gratuito ajudando cada um a planejar a sua própria viagem, sem precisar de agência, e assim economizar ainda mais. Se você quiser, eu posso enviar para o seu email.
      E se tiver mais alguma coisa que eu possa te ajudar da Croácia, pode me escrever que vai ser um prazer. Eu amei aquele país e adoraria poder voltar lá!
      Um beijo,
      Carla.

  9. Amando tudo, Carlinha! Muito feliz por ter acompanhado esse seu intercâmbio incrível! Acho que você escolheu muito bem o lugar e, com certeza, tudo o que você vivenciou a enriqueceu e passou a fazer parte de uma bagagem cultural que não tem preço! Parabéns!
    Beijos,
    Lily

  10. Oi Carla, tudo bem?
    Estava pesquisando brasileiros na Croácia, mais precisamente em Zagreb, pois me mudei a poucos meses pra esse país encantador, por conta do meu noivo croata e agora estou começando uma nova vida, está sendo um pouco difícil, pois eu sempre vivi rodeada de amigos e agora me vejo muito só e estou procurando contatos com brasileiros e quem sabe futuras amizades.
    Abraços 😘

  11. Olá, que dicas ótimas!
    Estou planejando uma viagem para 2017 onde a Croácia entrará no roteiro. Tenho entre os meses de julho a setembro para tirar 30 dias, qual o menos caro para esta viagem ?

  12. Pingback: De viajante solo a viagem de casal – o que mudou depois que comecei a namorar | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  13. Ola Carla, bom dia! Bastante interessante seu ponto de vista no post, bastante rico em informacoes. Quero tomar um pouco do seu espaço e dar uma ajudinha aos brasileiros, principalmente pra aqueles que nao dispoe de muito tempo na Capital.
    Pra quem deseja conhecer a Capital da Croácia, Zagreb, Lá vai minha dica! É uma guia Croata que fala o portugues fluentemente, Chama-se Irena.Menina bastante profissional que realiza passeio desde a Capital Zagreb ate os Lindos Lagos Plitvice, vale muito a pena e eu recomendo.
    Pra aqueles brasileiros que nao possuem tempo suficiente pra conhecer, eu indico de olhos fechados. O city tour é muito divertido.
    Podem contactar:
    web site http://www.irena-tours.hr
    Instagram: crotours_irena
    Facebook: Irena-tours
    Whatsapp: 00 385 99 214 0012

Leave A Reply