Eurotrip: meu roteiro Áustria x Alemanha x Polônia x Países Bálticos x Finlândia x Rússia

14

No meu último mês na Europa (fiquei quase seis meses lá) fiz um mochilão que começou na Áustria e foi subindo, subindo, se desenrolando, subindo mais um pouco, chegando ao Norte da Finlândia e depois descendo um pouco até a Rússia. Peguei as temperaturas mais baixas da minha vida (-31º na Lapônia finlandesa!). Visitei os museus mais chocantes e aprendi muito sobre as guerras que aconteceram nesses países. Vi cidade que foi reconstruída do zero após batalhas. Mergulhei em um lago congelado – usando apenas biquíni! Rolei na neve – sim, de biquíni! Fiz amigos locais. Experimentei muitas comidas – e trouxe comigo uns bons quilinhos extras. Fiz muitas mímicas para me comunicar em lugares que não dominam tão bem o inglês. Virei criança de novo quando vi o Papai Noel.

Morri de frio em todos esses países. Morri de amores por cada cantinho que visitei. Morri de ansiedade para ver a Aurora Boreal. Morri com o peso do meu mochilão a cada deslocamento entre cidades. Morri de orgulho em ver meu blog ser tão bem reconhecido em vários momentos da viagem e em lugares tão distantes. Vivi com uma intensidade sem igual. É…hoje morro de saudades.

Foram 8 países e 13 cidades em 23 dias nesse roteiro que compartilho aqui. Corrido sim. Em alguns lugares, achei que ficamos o tempo suficiente para conhecer o básico. Outros serviram apenas como base para seguir viagem. Alguns estão na minha lista de “quero voltar um dia”. Passamos por: Salzburgo (Áustria), Berchtesgaden, Munique e Berlim (Alemanha), Varsóvia (Polônia), Vilnius e Trakkai (Lituânia), Riga (Letônia), Tallin (Estônia), Helsínquia e Rovaniemi (Finlândia), São Petersburgo e Moscou (Rússia).

Hoje vou fazer um post geralzão de como foi esse itinerário. Depois vem um post cidade por cidade com todos os detalhes que nós viajantes sempre queremos saber quando estamos planejando uma trip (o que fazer, onde ficar, o que comer e beber, quanto custa). Então vamos por partes¿

DIA 1 – ÁUSTRIA

Salzburgo caiu no meu roteiro por acaso. Eu precisava estar em Berchtesgaden no dia 2 de janeiro e, como ficaria longe ir de Zagreb direto pra lá, optei por fazer uma “escala” de uma noite em Salzburgo.

Fiz o trajeto Zagreb x Salzburgo com Blablacar (aplicativo de caronas famoso lá fora e que chegou há pouco tempo no Brasil – se você não conhece, clica aqui nesse post!) e custou 30 euros por pessoa. Lá me hospedei no Hotel Haunspergerhof, que foi a opção com melhor custo benefício que encontramos para aquela noite. Um hotel simples, mas com quarto espaçoso, arrumadinho, limpinho, com boa localização, inclui café da manhã.

salzburgo-austria-11

DIA 2 – ÁUSTRIA X ALEMANHA

De manhã saímos para turistar em Salzburgo e à tarde pegamos um ônibus para Berchtesgaden, na Alemanha e bem perto da fronteira com a Áustria. A viagem durou 1h30 e custou 6,70 euros por pessoa. Chegamos lá no fim do dia e nos hospedamos por duas noites no Best Western Berghotel Rehlegg. Excelente, em especial para casais, mas um pouco afastado da cidade (há ponto de ônibus na porta para quem não estiver de carro).

berchtesgaden-alemanha-15

berchtesgaden-alemanha-62

DIA 3 – ALEMANHA

Fui pega de surpresa e havia muito o que se fazer em Berchtesgaden, uma cidade super fofa. Com a falta de planejamento, apenas conseguimos fazer um passeio de barco no lago Konigssee e tomamos uma cerveja no bar Braustuberl, um dos melhores e mais tradicionais da cidade.

berchtesgaden-alemanha-17

berchtesgaden-alemanha-38

berchtesgaden-alemanha-49

DIA 4 – ALEMANHA

Fizemos nosso checkout no Best Western Berghotel Rehlegg e fomos de Blablacar para Munique. Foram cerca de duas horas de viagem e custou 8 euros. Munique foi apenas um pit stop, pois a ideia era pegar um trem de lá para Berlim, nosso próximo destino.

Em Munique almoçamos no tradicional restaurante da Hofbrauhaus. Adorei, tem muito clima detodo aquele estilo das tendas do Oktoberfest (Aliás, leia: Doze dicas para seu Oktoberfest ser inesquecível!). De lá fomos para a estação de trem e seguimos rumo a Berlim. A viagem durou 6 horas e custou 19 euros com a DBahn.

berlim-alemanha-5

Em Berlim nos hospedamos no PA EastSeven Hostel. Fiquei em um quarto privativo com banheiro compartilhado. Hostel ótimo, quarto espaçoso, localização bem próxima do metrô.

DIA 5 – ALEMANHA

Dia de turistar por Berlim. Mas estava um frio absurdo! Tentamos acompanhar um Free Walking Tour, mas estava ventando demais e a sensação térmica estava muuuuito abaixo de zero. Desistimos no meio do caminho e turistamos por conta própria. Fomos ao Berlin Wall Memorial e à EastSide Gallery. Não conseguimos ir ao Portão de Brandemburgo.

berlim-alemanha-28

berlim-alemanha-35

berlim-alemanha-40

À noite jantamos num restaurante perto do hostel e fomos à boate Matrix. Bem animadinha e sem hora pra acabar.

DIA 6 – ALEMANHA x POLÔNIA

Fomos viradas da boate para a estação de trem porque viajaríamos para Varsóvia. A viagem durou quase 6 horas e custou 29 euros com a DBahn.

Em Varsóvia nos hospedamos no Patchwork Design Hostel, um dos que mais curti nessa viagem. Um clima super alto astral, staff ótimo, decoração linda, banheiro excelente. Fiquei em um quarto misto compartilhado para 8 pessoas.

À noite fomos aos bares do Pavilion, região boêmia próxima do hostel, super animada e muito frequentada pelos locais.

varsovia-polonia-59

DIA 7 – POLÔNIA

Varsóvia tem cafeterias incríveis! Depois de tomar café da manhã em uma delas, fomos turistar pela Rota Real da cidade. Mais tarde almoçamos no Bar Mleczny Familijny, um restaurante muito simples, mas da época do Comunismo e que ainda é mantido pelo governo. Serve apenas comida local e é impressionantemente barato.

varsovia-polonia-24

varsovia-polonia-30

varsovia-polonia-40

Terminamos o dia nos bares da Pavilion.

DIA 8 – POLÔNIA x LITUÂNIA

Fomos ao Museu da Revolta de Varsóvia. É cho-can-te e dá para ficar facilmente mais de três horas lá. Na volta paramos em uma cafeteria e comemos um sanduíche. Depois fomos ao Palácio da Cultura e da Ciência, prédio enorme e que chama a atenção em Varsóvia, mas que na verdade não tem muitos atrativos – o mais interessante é um terraço de onde se tem uma vista da cidade.

varsovia-polonia-78

varsovia-polonia-80

varsovia-polonia-111

À noite pegamos ônibus da LuxExpress para Vilnius. A viagem durou 8h30 e custou 19 euros.

DIA 9 – LITUÂNIA

Em Vilnius nos hospedamos na Guesthouse Litinterp. É um pequeno prédio com mini apartamentos e cada quarto privativo tem seu próprio banheiro no corredor. Achei ótimo e a localização era impecável.

Como chegamos cedo, turistamos o dia todo. O curioso é que dentro de Vilnius tem uma comunidade independente que se reconhece como país e se chama Uzupis (apesar de ainda não ser reconhecida pela ONU, Uzupis se declarou uma República Independente em 1997, tem constituição própria, um exército e até embaixada no Brasil). Não precisa de visto para entrar, mas vale a visita pela curiosidade do lugar.

vilnius-lituania-16

vilnius-lituania-37

vilnius-lituania-42

Ao fim do dia jantamos em um restaurante de comida local chamado Forto Dvaras. Terminamos a noite em barzinhos e na boate Salento Disco Club.

DIA 10 – LITUÂNIA x LETÔNIA

Fomos conhecer o Castelo de Trakkai, a cerca de uma hora de Vilnius. Lindo e um must go na Lituânia!!! Fomos de carro com um amigo que fizemos lá, mas me pareceu bem fácil ir de ônibus. Na volta almoçamos num restaurante asiático indicado por ele.

vilnius-lituania-96

Depois pegamos nosso ônibus da LuxExpress para Riga, na Letônia. Cerca de 4 horas e meia de viagem e custou 18 euros.

Em Riga nos hospedamos no Mosaic Hostel. Apesar do nome, ele tem uma cara meio de hotel. Ficamos num quarto privativo com banheiro compartilhado. Boa localização no conhecido bairro de art nuveau de Riga.

DIA 11 – LETÔNIA

Começamos a turistar logo cedo em Riga. Há muito o que ver na cidade, mas um dia é suficiente para o principal. Ao fim do dia comemos no Lido, uma rede de restaurante com comidas tradicionais do país. Terminamos a noite no Folkklubs Ala Pagrabs, um dos bares mais típicos da cidade.

riga-letonia-6

riga-letonia-22

riga-letonia-26

DIA 12 – LETÔNIA x ESTÔNIA

riga-letonia-33

De manhã circulamos pelo bairro do nosso hostel, com muitos prédios em estilo art nuveau. Depois pegamos um ônibus da LuxExpress para Tallin. Foram cerca de 4 horas e meia de viagem e custou 16 euros.

riga-letonia-58

Em Tallin nos hospedamos no Red Emperor Bar & Hostel. Super moderno, com uma decoração bem irreverente, tem localização ótima. Terminamos a noite no bar do nosso hostel.

DIA 13 – ESTÔNIA

Dia de turistar por Tallin. A cidade é uma coisa de linda! E bem pequena. Em um dia rodamos tudo o que quisemos. À noite jantamos no Rataskaevu, um dos melhores restaurantes da cidade e com cozinha internacional.

tallin-estonia-21

tallin-estonia-22

tallin-estonia-38

tallin-estonia-53

tallin-estonia-57

Dia 14 – ESTÔNIA x FINLÂNDIA

Tomamos café da manhã no Maiasmokk, cafeteria mais antiga de Tallin. De lá, fomos pegar nosso ferry da Tallink Silja para atravessar para Helsínquia, na Finlândia. A travessia de 3 horas e meia custou 19 euros, mas também há travessias mais rápidas e, consequentemente, mais caras.

O ferry é bem moderno, com restaurantes, pubs, boate, lojas. Dá para passar o tempo sem perceber.

tallin-estonia-73

Em Helsínquia nos hospedamos no Eurohostel. A cerca de 15 minutos de ônibus do centro, o diferencial dele, em minha opinião, é que tem sauna (sim, é uma tradição na Finlândia fazer sauna diariamente e essa é uma experiência que todos devem ter). O Eurohostel possui muitos quartos e lembra um hotel de rede. Fiquei num quarto privativo e o banheiro era no corredor. Jantamos no restaurante do próprio restaurante.

DIA 15 – FINLÂNDIA

De manhã pegamos um voo para Rovaniemi, principal cidade do norte do país para ver a aurora boreal. Viajamos com a Finnair Airlines e o voo de ida e volta custou cerca de 130 euros (quanto mais antecedência para comprar, mais barato é). Lá nos hospedamos na Guesthouse Borealis. Localização boa, uns 10 minutinhos de caminhada do centrinho, mas bem próxima da estação de trem e de um ponto de ônibus. Ficamos numa suíte e adoramos o estilo fofo da decoração. Café da manhã incluído na diária.

Durante o dia turistamos pelo centrinho, que não tem tanto para ser visto. Fomos a uma cafeteria, tomamos um café para passar o tempo. Na volta, passamos no mercado e compramos comidinhas para fazer um jantar na cozinha do hostel. Nesse dia estava bem nublado e não tinha boa visibilidade para tentar ver a aurora.

laponia-rovaniemi-finlandia-27

laponia-rovaniemi-finlandia-28

laponia-rovaniemi-finlandia-30

DIA 16 – FINLÂNDIA

Acordamos e fomos direto para a Vila de Papai Noel – sim, o Papai Noel é nativo dessa região da Finlândia! É de graça e vale muito a pena ir. Tem um clima mágico de conto de criança. Lá também fica o Husky Park, para passeio em trenó com esses cachorros lindos. Eu fiz o meu com a BearHill Husky e indico demais.

laponia-rovaniemi-finlandia-42

laponia-rovaniemi-finlandia-51

De lá voltamos para o centrinho e jantamos no Restaurante Nili, o melhor restaurante de comidas típicas da cidade (e onde dá para comer carne de rena!). É caro, mas vale a pena.

laponia-rovaniemi-finlandia-60

A próxima parada foi uma caça à aurora boreal com a Arctic Lifestyle. O passeio é feito com snowmobile e é inesquecível, com direito a fogueira, “churrasco” e chocolate quente em meio ao nada e a muita neve. Mas nesse dia a aurora não apareceu…

laponia-rovaniemi-finlandia-69

laponia-rovaniemi-finlandia-70

DIA 17 – FINLÂNDIA

De manhã foi a vez de fazer a tão esperada sauna finlandesa com a Santa´s Adventures. Mais um passeio para ser guardado num canto especial da memória. Buscam e levam de volta ao hotel e a sauna fica num lugar afastado e dos sonhos. O passeio inclui sauna a 60 graus e depois um banho em lago congelado a zero grau (sendo que a temperatura externa nesse dia estava em -31 graus). Depois dessa insanidade que eu repetiria facilmente, tem um almoço bem caseiro e saboroso.

laponia-rovaniemi-finlandia-97

laponia-rovaniemi-finlandia-112

laponia-rovaniemi-finlandia-116

Como adoramos aquela sauna quentinha num clima tão gélido, à noite fui conhecer o Chalet Paamaja, que, além da sauna, tem também uma jacuzzi a céu aberto – sim, você numa água quentinha e com neve do lado de fora. Lá na verdade é um hotel mais exclusivo e suas áreas são reservadas apenas aos hóspedes, mas fui convidada a conhecer sua jacuzzi a céu aberto – e óbvio que eu fui! E o bom é que esse hotel fica bem afastado da cidade, então, por estar numa região menos iluminada, costuma ser um bom ponto para ver a aurora boreal. Mas…ela não apareceu de novo.

laponia-rovaniemi-finlandia-126

DIA 18 – FINLÂNDIA x RÚSSIA

Nessa manhã era nosso voo de volta para Helsínquia, de onde pegamos um trem para São Petersburgo. Compramos com a VR, a viagem durou cerca de três horas e meia e custou 29 euros.

Em São Petersburgo nos hospedamos em dois hostels: o Baby Lemonade e o Traveller´s Palace (da mesma rede e recém inaugurado em janeiro desse ano). Ambos são ótimos e com decoração impecável, mas a localização do primeiro é melhor.

À noite fomos ao bar Jack & Chan ao lado do hostel para jantar. Curtimos!

DIA 19 – RÚSSIA

Turistamos o dia todo. E almo-jantamos no Café Singer, com comida Ok, mas uma vista linda para a Catedral de Kazan.

sao-petersburgo-russia-28

sao-petersburgo-russia-35

sao-petersburgo-russia-50

Dia 20 – RÚSSIA

Há bastante o que se ver em São Petersburgo, e turistamos mais um pouco no segundo dia. Paramos para tomar um chocolate quente num restaurante charmosérrimo, mas com atendimento pés-si-mo! O pior que tive em toda a viagem. Uma pena, mas o lugar em si vale a pena. Não sei nem repetir o nome em russo…

À noite jantamos no bar do lado do nosso hostel, o One & Half Room. De lá também fomos ao bar Union, recomendado em nosso hostel como muito bom. E depois uma passadinha pela rua Dumskaya, onde há vários barzinhos.

DIA 21 – RÚSSIA

De manhã fomos para o aeroporto, de onde fomos de avião para Moscou. Viajamos com a Aeroflot e a passagem custou 25 euros. Lá ficamos no Sputnik Hostel & Personal Space. Localização nota 10. Ficamos num quarto compartilhado, mas me chamou a atenção uma cortininha em cada cama para dar mais privacidade ao hóspede. Um hostel impecável.

Nesse dia turistamos com um amigo russo que fizemos na fila para compra de tickets no Bolshoi. Ele nos mostrou ótimos pontos da cidade e nos levou ao seu restaurante local preferido, com comida típica e deliciosa.

moscou-russia-6

moscou-russia-13

moscou-russia-15

Terminamos o dia em um barzinho que não me lembro mais o nome.

Dia 22 – RÚSSIA

Esse foi um dia mais preguiçoso já de fim de viagem. Acordamos tarde e dedicamos nosso dia a conseguir comprar ingresso para o balé do Bolshoi naquela noite. Conseguimos!

Antes de ir, almoçamos pertinho do nosso hostel em mais um restaurante de comida típica russa. Depois passeamos pelo shopping GUM, maravilhoso e na Praça Vermelha. E terminamos nossa noite com um balé no Bolshoi. Definitivamente um programa imperdível em Moscou.

moscou-russia-63

moscou-russia-69

Obs.: Como o alfabeto russo é uma loucura para entender, não consegui decifrar o nome de alguns restaurantes para escrever aqui. Mas no post específico sobre Moscou vou colocar foto do nome de cada um numa tentativa de me fazer entender 😀

DIA 23 – RÚSSIA x BRASIL

Dia de me despedir da Europa, após uma temporada cinco meses e duas semanas nesse continente (sendo que quatro meses foram morando na Croácia!). Bye Bye Europa, essa experiência foi inesquecível. Espero te rever em breve… 😀

Acompanhe aqui pelo blog os próximos posts com toooooodos os detalhes dessa viagem incrível!

E leia mais sobre minhas outras viagens pela Europa:

O que fazer em Zagreb: meus 3 cantinhos preferidos no entorno da capital da Croácia

Roteiro na Eslovênia: Maribor x Bled x Bovec x Postojna

Roteiro de cinco bares em Praga para beber como os tchecos

Eurotrip: meu roteiro Zagreb x Budapeste x Bratislava x Viena x Praga

Meu roteiro de dois dias em Belgrado, na Sérvia

5 Mitos e Curiosidades sobre a Transylvania

12 Dicas para um Oktoberfest inesquecível em Munique

Carla Boechat é jornalista, mestranda, curiosa que só, carioca da clara, inquieta e turista por vocação – e criação. Sempre com a mochila e um sorriso prontos, aposta que toda estrada pode esconder uma dica em potencial. E aqui é assim: se ela foi e gostou, virou post!

Discussion14 Comentários

  1. Pingback: Dicas para um dia em Salzburgo: o que fazer, onde ficar, rola bate-volta? | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  2. Pingback: O que fazer em Berchtesgaden, cidade linda entre a Alemanha e a Áustria | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  3. Pingback: Varsóvia, capital da Polônia: o que fazer, onde ficar, o que comer, quanto custa? | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  4. Pingback: Onde ficar em Varsóvia, na Polônia – Patchwork Design Hostel | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  5. Pingback: Roteiro de dois dias em Vilnius, capital linda da Lituânia | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  6. Pingback: Eu não vi a Aurora Boreal na Finlândia. E essa ainda foi uma das melhores viagens da minha vida! | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  7. Pingback: Onde ficar em Moscou – Sputnik Hostel & Personal Space | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  8. Pingback: Dicas de Paris por uma insider – Parte 1: Pontos (nem tão) Turísticos | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  9. Pingback: Dicas de Paris por uma insider – Parte 3: Vida Noturna | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  10. Pingback: Hoje faz quinze meses que eu não tenho casa | Fui, gostei, contei | por Carla Boechat

  11. Bom dia, tudo bem?
    adorei sua viagem! e parabens pelo blog!
    gostaria de saber se as passagens de onibus você comprava na hora, se era tranquilo ter passagem, ou era cheio os onibus!
    queremos ir em fevereiro e fazer quase o mesmo roteiro!
    obrigada!! aguardo resposta!

    • Eii Angela!
      Eu sempre me programava e comprava antes. Assim garantia meu lugar e evitava ter que pagar uma tarifa mais cara.
      Depois me conta como foi a trip de vcs! Acho q vcs vão amarrrr!
      Beijão

  12. Carla, estou pensando em passar uns dias nos Países Balticos, mas só posso ir em dezembro e janeiro.
    Você acha que o frio e a neve podem atrapalhar a viagem?

    • Ei, Victor! Eu fiz essa viagem aí em Janeiro do ano passado. Claro que o frio intenso incomoda, mas não impede que você conheça lugares lindíssimos!
      Vale a pena ir sim, se é a única data que você pode 😉

Leave A Reply